Esparr[amar]


Era um homem que fora menino,
que uma vez pequenino sonhou com o amor,
mas seguiu seu caminho sozinho
partindo do ninho feito beija-flor.
Namorou devagar e mansinho,
porém em seu peito jamais encontrou
um sentido pr'aquele carinho
que era vazio, então se desencantou.
Passeou pelo mar e por terra,
e seu sorriso tolo, ele semeou.
Já sabido que o tal do cupido
de óculos perdidos seu coração não acertou.

O menino agora crescido
entendeu que o destino não lhe abandonou.
Era o seu dever ser cumprido de queixo erguido,
conquistar o amor.
Sendo assim, de cessar sua busca ele logo tratou,
pois o homem por ser distraído
nos dias corridos um dia encontrou
tudo aquilo que fora pedido,
e até bem sabido que nunca precisou.

Esse homem de olhar destemido
pelos cantos sumidos seus olhos lançou.
Bem vestida de um jeito bonito,
toda sua atenção ela capturou.
E o seu par de sorriso perdido
assim timidamente lhe acenou.
Foi então que em seu peito abatido
tudo aquilo querido se esparr[amou].

Das produções de um noite de insônia.
Sorridentes queridos, semana passada o blog completou 5 anos de postagens e eu, sendo um blogueiro relapso que sou, não celebrei devidamente essa data. Queria apenas agradecer a quem ainda se perde na estrada e vem parar aqui em casa. O tempo ~ sempre ele ~ me priva de escrever (exceto em momentos insones), mas sempre que der surpreendo vocês com uma postagem nova. Um grande abraço!

Compartilhe

Mais sobre o dono dos sorrisos

Autor de sorrisos. Sou aquele que fala sobre o que sente e o que não sente com a mesma veracidade. Há quem diga que sou feito de palavras e quem sou eu para discordar? Ao ler minhas (entre)linhas nosso laço se aperta e assim podemos ser íntimos, de alguma forma. Contatos: rodolpho.padovani@hotmail.com

2 sorrisos compartilhados:

Joyce Silva disse...

"E o seu par de sorriso perdido
assim timidamente lhe acenou"

Passamos sempre pela vida numa pressa desnecessária, esquecendo de reparar quem está ao nosso lado, até que um momento algo nos puxa com tanta força que não há distração que nos tire a atenção, e então o amor acontece, devagar, como deve ser.

Lindo!

Deise Lima disse...

Poetisandando o moço encontrou seu par. A vida é mesmo assim não é? Quando menos se espera, ou na espera mesmo, a amor nos surpreende. Sempre ele esse danado!!!
Muito bom passear por aqui Rody!Não te esqueço não viu?! Assim como o tal do tempo te atrapalha de escrever, as vezes ele me atrapalha de visitar os amigos queridos! Fico muito feliz de saber que fiz parte de alguns momentos desses cinco anos do seu belo espaço, e saiba que o D'Cifrando também completou 5 anos há pouco tempo e vc fez parte de muitos momentos lá, então obrigada por aqui e por lá!!!
Um abraço enorme que nem você ♥