Ponto de vista



Saí.
Botei nos pés aquelas botas que comprei no inverno passado, passei a mão rapidamente pela mesa e apanhei a chave do carro. Na outra mão carreguei a mala, leve feito minha alma. Lá fora o pôr-do-sol me banhou com feixes de luz que jorravam através das nuvens finas como fumaça de vapor de banho.
O horizonte me sorriu, exibindo sua faceta misteriosa por trás daquele sorriso de lado de quem sabe algo, mas não quer contar.

- Você é um peixe grande demais para este pequeno lago – alguém me disse certa vez – Há um rio de sonhos esperando por você.
Às vezes eu me sentia como aquele adolescente desajeitado que nunca consegue sentar-se à mesa popular do colégio, tão estranho e desajustado, incapaz de se encaixar, mas quando crescemos percebemos que esse clichê de filme de fim de tarde é apenas um capítulo patético que uns passam e outros não. Percebemos também que se encaixar nem sempre é a opção mais viável. Entendemos que tentar se afunilar numa vida cercada de futilidades é virar-se do avesso e negar a si mesmo diante do espelho.
Consegui nadar para longe daquela mesa e esta talvez tenha sido uma das melhores coisas que já fiz. Fui tolo a ponto de buscar exatamente aquilo que eu sabia que não me completava, pelo mero capricho de receber um olhar de aceitação. Bem, comecei a respirar águas mais límpidas quando percebi que o mar de possibilidades diante de mim é muito mais extenso do que meus olhos cansados podem ver. Foi nesse momento que entendi que minha vida não estava ali, que meu coração batia descompassado por desejo de mudanças, por anseio de novidade.

- Você não vai conseguir, a vida não é um livro de capa bonitinha que te encanta à primeira vista – outro alguém falou – Nada nunca vem fácil e você é igual a todo mundo.
Confesso que em meus instantes mórbidos e depressivos de solidão eu acreditei nessas palavras e senti meus sonhos escorrerem para fora de mim como o sangue flui por uma ferida aberta. Quem nunca teve um momento de introspecção negativo, no qual os defeitos são mais enaltecidos do que as qualidades? Momentos em que me senti frustrado por não ter me sentado àquela maldita mesa com aquelas pessoas de risos falsos.
Por outro lado essas mesmas palavras desencorajadoras surtiram o efeito contrário e despertaram uma vontade insana de provar que elas estavam erradas. Tudo é ponto de vista, tudo depende da maneira como se vê ou como se escolhe ver.

Aqui estou eu viajando por uma bela alameda com o vento outonal sacudindo as folhas das árvores e se esgueirando para dentro do carro para me fazer companhia. No rádio toca uma de minhas músicas preferidas e dentro do peito dança um coração satisfeito no mesmo ritmo. A grande beleza de uma viagem é esse não saber que nos cerca, é esse frio na barriga pelas surpresas que podem e vão surgir. Não tenho um destino definido, assim como ninguém tem. Não levo mapas, pois a sede de me perder me encontrará pelo caminho.
Quando perguntarem por mim, diga que estou nadando de encontro ao meu rio de sonhos e que sou sim igual a todo mundo, justamente por ser diferente.

Pauta para Bloínquês 

Compartilhe

Mais sobre o dono dos sorrisos

Autor de sorrisos. Sou aquele que fala sobre o que sente e o que não sente com a mesma veracidade. Há quem diga que sou feito de palavras e quem sou eu para discordar? Ao ler minhas (entre)linhas nosso laço se aperta e assim podemos ser íntimos, de alguma forma. Contatos: rodolpho.padovani@hotmail.com

4 sorrisos compartilhados:

José María Souza Costa disse...

CONVITE
Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
Eu também tenho um, só que muito simples.
Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
Força, Paz, Amizade e Alegria
Para você, um abraço do Brasil.
www.josemariacosta.com


Gabriela Furtado disse...

quanto tempo que não passava aqui! e que surpesa boa esse texto: lindo! Entrei pela tela e naveguei nas suas palavras!

Beeeijooos

Italo Stauffenberg disse...

o garoto dos textos brilhantes!
continuas impecável!
parabéns, pelo texto!
uma pérola, bem reflexivo!
abraços

http://manuscritoperdido.blogspot.com.br

Tati disse...

"Percebemos também que se encaixar nem sempre é a opção viável. Entendemos que tentar afunilar numa vida cercada de futilidades é virar-se do avesso e negar a si mesmo diante do espelho"

Perfeito esse trecho. Sinto exatamente isso. Quanto mais você tenta se adequar aos padrões, mais longe você se coloca de si.

Além de bem escrito, achei reflexivo pra caramba.

Beijos