Elos no horizonte

A vida é uma viagem, pelo menos é o que dizem, pode ser de trem, avião, carro ou a pé, mas é uma viagem que a gente faz conforme vive, sem atalhos e roteiros definidos e com direito a retornos.
Por adorar viajar eu sempre quis fazer Turismo e esse sonho se torna realidade no final desse ano, quando concluo o curso.
Sei que essa minha viagem está apenas começando, mas eu busco sempre olhar para frente e querer enxergar o que o destino reserva para mim. Sei que lá na frente, onde o sol beija a terra e o mar e depois se esconde, há alguma coisa para mim...

É, até pouco tempo atrás eu achava isso. Eu tinha esse sonho que a vida tratou de afugentar.
Há dois meses eu sofri um acidente de carro e perdi o movimento das pernas, vi meu mundo desmoronar diante de mim sem que eu pudesse me mover para impedir. Vi todo o meu esforço explodir junto aos cacos de vidro.
Nestas horas paramos para questionar o porquê das coisas, principalmente o motivo de coisas ruins acontecerem com pessoas boas. A vida prega peças e faz muitas brincadeiras de mau gosto e a gente querendo ou não acaba sofrendo as consequências.
Eu, que sempre busquei encontrar o meu amanhã, esqueci de viver o hoje que agora foi roubado pelo tempo e repousa no passado. Sempre adiei o agora para viver em um futuro utópico que me parecia tão grandioso. Acho que acabei virando em uma curva errada, talvez a vida tenha feito isso para abrir meus olhos e me mostrar que o tempo não passa à nossa maneira e que não adianta apenas passar por essa viagem, é preciso vivê-la.

Há elos no horizonte que a gente não compreende por completo, há o encontro da terra e o céu, do arco-íris e o chão, do divino e o humano. Não que eu não devesse chegar até lá, eu só tentei apressar o que deveria seguir seu curso natural.
Aprendi que não importa quão alto eu sonhe, eu posso fazer esse sonho virar realidade, não através de pedidos a estrelas cadentes ou cílios soltos, não apenas por meio de preces e promessas, mas agindo. Tudo se torna concreto, a partir do momento que começamos a agir. O impossível é questão de opinião.
Eu não vou deixar esse sonho morrer devido à minha condição. Eu não posso andar, certo, mas eu falo, enxergo e ouço. Falo as palavras que me guiarão até o ponto que eu almejo atingir, enxergo muito mais o meu presente ainda que eu faça planos para o futuro e ouço a canção motivadora que a vida canta em meus ouvidos.
Agora eu entendo que a vida não desistiu de mim, então por que eu deveria desistir dela?
Toda estrada tem barreiras e obstáculos que parecem grandes demais à primeira vista, mas ao olhar para o horizonte é assim e quando percebemos nada é o que parece.

Essa viagem eu farei pelas rodas da minha cadeira. Não quero ser como um sapato de sola limpa, pois estes jamais conheceram a estrada, eu quero ser aquele bem gasto e até com um furo no meio e que o hoje seja o hoje e o amanhã mais um mistério a descobrir.

Sétimo texto fictício em homenagem aos blogs, o Elos no Horizonte é do Alexandre Lúcio. Espero que todos, assim como ele, tenham gostado do texto.

Compartilhe

Mais sobre o dono dos sorrisos

Autor de sorrisos. Sou aquele que fala sobre o que sente e o que não sente com a mesma veracidade. Há quem diga que sou feito de palavras e quem sou eu para discordar? Ao ler minhas (entre)linhas nosso laço se aperta e assim podemos ser íntimos, de alguma forma. Contatos: rodolpho.padovani@hotmail.com

9 sorrisos compartilhados:

Flávia disse...

Euu gosteii! =D

Ficou meio reflexivo... Eu sempre me animo ao ler suas palavras! ^^

E o Hoje é um presente que ganhamos a cada dia, para utilizarmos da melhor maneira possível. Deixo o futuro pra AMANHÃ mesmo! ;)


Beijãoo S2

Lucas D'Erasmo disse...

Realista e motivador!

Thiara Ribeiro disse...

Cílios soltos foi ótimo! ^^
Faço tantos pedidos assim!

Ficou muito bonito, me fez pensar no quanto preciso melhorar

Viver o que há pra viver!
Mas um dia de cada vez...

;*

Lu disse...

OIi
Nossa a quanto tempo não passo por aqu, me desculpe. Voltarei agora bemn mais vezes.

Nossa querido, no começo pensei que fosse verdade, o texto ficou muito real e gosto de se ler.
Adorei parabéns pelo sucesso do blog. Até mais.

bjs

Metamorfoses disse...

Nossa, antes de ler "texto fictício" fiquei meio q aflita...
Muito bom. Intenso!!
bj!

*Amanda* disse...

Nada como uma história de superação para que possamos refletir sobre o quanto reclamamos da nossa vida!!!!

Adoreii*

bjs*

Leticía Gomes disse...

oi, rô.
bom, primeiro, uns agradecimentos: obrigada pela persistência no escafandro, pelos tweets mencionando o blog, enfim, obrigada mesmo.

quando li o segundo parágrafo, levei o maior susto pensando que você era o eu-lírico. bom, se fosse também, só ia te fazer mais diferente para mim. mas não importa.
acho que essas provações no fim são o que motivam as mudanças, que geram coisas boas. é tipo o mal que vem pro bem. pra mim, nada é injusto e por acaso, tem sempre uma razão pra cada coisa.

aaaaaaaaah, eu qeuria estar aqui sempre. já disse isso, né? puft.

mas jaja é férias e o meu sorriso vai ser contínuo com a ajuda da sua arte :) (breguíssimo isso que eu dissse)

hihihihihi
beijos

Rebeca Amaral disse...

Nossa, Rodi, quanta inspiração, hein?
A vida realmente é uma viagem, aliás, é um monte de aventuras juntas. É incerta e tortuosa como uma montanha escura, mas também é leve e suave como uma praia bonita.
Texto digníssimo para o blog do Alê. Achei lindo demais.

Alexandre Fernandes disse...

Poxa Cara, eu nem acredito que ainda não tinha lido este texto. Justamente o que homenageia o meu blog. Mas antes tarde do que nunca não é?

Mas ler isso foi reconfortante. Eu achei magnífico a história. Emociona do começo ao fim. E a sensibilidade nas palavras, o modo de citar valores bonitos, enxergar o grande significado por trás de certos olhares, entender que a vida continua, e que oferece tesouros inimagináveis...

Você captou bem a essência. Porque há beleza em firmar os olhos no horizonte. É como se no momento houvesse esse enlace entre corpo e alma, e as sensações pudessem compartilhar suas semelhanças, ou completar suas ausências.

Olhar no horizonte tem essa capacidade de unir em nós, as virtudes mais bonitas que podemos encontrar na vida ou nas cercanias da nossa alma. Reconforta, nos anima a seguir adiante, vivendo...

Por isso que são elos, pedaços de ternura que enlaçam a nossa sabedoria em viver.


Amei o texto meu amigo. Obrigado de coração pela homenagem. É um texto comovente. Exatamente como as palavras que busco escrever no meu blog.

OBRIGADO!


Esses dias dei um tempo no blog porque ando meio pra baixo. Espero voltar com mais brilho. Eu te aviso quando.


Um abraço!