Coração rejeitado

E quando todas as palavras parecem ter sido ditas? E quando somente o silêncio é o que existe entre duas pessoas? O que isso significa? É esse o momento de dizer adeus?
As perguntas passeiam pelo vento feito as folhas dançantes no outono, que mais ou cedo ou mais tarde atingem o chão, ou seja, não tem mais para onde ir. O percurso se completa, a queda fecha o ciclo que começou. As perguntas são barradas por um beco forjado em minha mente. Quem sabe as respostas sejam tão doloridas que eu me recuso a querê-las verdadeiramente? Não são perguntas retóricas, elas exigem respostas que apenas o tempo me dirá, mas o tempo é um indivíduo muito ambíguo, relativo e ilógico. Ele se dá ao luxo de ter seu próprio tempo e de chegar quando bem entender, é uma pena, pois preciso de respostas agora, não posso ficar atado aos caprichos de alguém que talvez não me ajudará.
Se tudo já foi dito como eu ainda espero uma solução para os problemas que nossa relação trouxe? É, eu te amei, me entreguei a esse amor, de olhos vendados pela paixão. Você me aceitou, me iludiu, acariciou meu coração por um tempo e depois o atirou na primeira lixeira que encontrou, mas sabe que ele, sozinho, abandonado e carente, ainda chorou por você e desejou tê-la de volta. Nenhum coração é tolo o bastante até que aprenda a amar e nenhum dos seus batimentos fazem sentido ao menos que ele padeça dessa tolice.
E o que você me disse quando partiu e me deixou afogado em minha solidão venenosa? Nada, não é? Você não proferiu nenhuma palavra, nem ao menos me deu motivos para rasgar meu peito. Às vezes eu acho que diante de tudo o que aconteceu, as respostas estejam bem nítidas na minha frente, embora eu ainda insista em ignorá-las.
Eu soube que você tem outro alguém. Foi difícil aceitar isso e o ferimento que começava a cicatrizar se abriu novamente, mas sabe de uma coisa, foi até bom, hoje vejo vocês dois naquele banco, juntos, sorrindo, se beijando. Espero realmente que ele te faça feliz e que não seja apenas mais uma vítima de sua armadilha cruel de despedaçar corações.
Essa é a última vez que vejo vocês. Corri até o fim da praça e lá de longe olhei para trás, dei mais alguns passos e tropecei na resposta para as minhas perguntas e ela me sorriu timidamente e seus olhos se encontraram com os meus. Todo fim traz um novo começo. Era hora de começar novamente.
Meu coração encardido precisava de um banho, afinal, ele precisa estar bem arrumado para o próximo encontro.

Pauta para Bloínquês

Compartilhe

Mais sobre o dono dos sorrisos

Autor de sorrisos. Sou aquele que fala sobre o que sente e o que não sente com a mesma veracidade. Há quem diga que sou feito de palavras e quem sou eu para discordar? Ao ler minhas (entre)linhas nosso laço se aperta e assim podemos ser íntimos, de alguma forma. Contatos: rodolpho.padovani@hotmail.com

19 sorrisos compartilhados:

Thiara Ribeiro disse...

"Todo fim traz um novo começo. Era hora de começar novamente."

Como diria Caio Fernando Abreu... "É preciso estar distraído!" ^^

Seus textos sempre servem como uma luva pra mim! Impressionante!
Vivi exatamente o que vc contou!

Me sinto cada dia mais em casa! ;)

;** querido amigo Rodolpho!

Agatha Rodrigues disse...

adorei o texto, adorei o blog :) seguindo aqui :*

Pires Silva disse...

Um dos melhores textos escritos por você meu ídolo. Amei muito, pensei em comentar milhões de partes e frases, mas acabei ficando sem palavras a cada nova frase. Juro mesmo. Mas adorei a metáfora final, do banho para o novo encontro. Adorei as palavras usadas, que deram mais drama e mais veracidade ao texto. Acho que corações partidos e machucados são meus temas preferidos, e junto a um talento nato como o seu, ficou essa indiscutível perfeição. Quero ser igual a você quando eu crescer HAHA. Beijos Rodi

Srtª Elis° disse...

adorei tudo aqui.... mais confesso te seguirei ..sr!


xero a ti!

Juci Barros disse...

Uma sinceridade bem colocada, sem exageros e com a intensidade merecida. Gostei muito.
http://compromissocomoacaso.blogspot.com/

Emi disse...

Nossa, hoje foi o dia de me encontrar nos textos dos meus amigos blogueiros, rs!Já pelo início do seu texto, uma nostalgia conhecida minha bateu aqui dentro.
Adorei, Rodolpho! Seus textos são sempre MUITÍSSIMO bons e únicos!
Beijos, querido!

Thammy disse...

Por que quanto venho aqui, para ler seus textos, eles sen encaixam tanto em mim? Às vezes isso me assuta, outras, me conforta. Hoje, cada palavra que escolhestes para florir seu texto, vinha sendo abafada, pedida, dentro de mim. Precisava disso, ser sacudida pela verdade. Obrigada Rodolpho.

Um beijinho.

P.S.: Posso colocar os selos que me presenteou no antigo blog, no novo? Tenho tanto amor por eles, pelo carinho que recebi. :)

Vanessa Monique disse...

O meu tah assim, precisando de um banho, roupas novas para um próximo encontro.
Bom FDS!

vanessamonique.blogspot.com

Abçs.
:*

Grafite disse...

"Quem sabe as respostas sejam tão doloridas que eu me recuso a querê-las verdadeiramente"

Muito belo...adoro sempre!

beiijo
*.*

Natália disse...

O meu coração tá sujo, encardido, largado em um sofá se entupindo de comida, atitudes essas que consequentemente o faz não pensar em futuro.

Tu arrasou como sempre!

Beijo

Jaci Macedo disse...

Texto incrível.
"Meu coração encardido precisava de um banho, afinal, ele precisa estar bem arrumado para o próximo encontro." Às vezes faz bem se preservar. Quem sabe o que nos aguarda.

beijos, coração.

Rute Vieira disse...

é por isso que a gente tem que andar sempre bem arrumadinho, e escrevendo essas coiss bonitas apesar de.

eu nem sei te dizer o quanto eu gostei disso aqui!

beijo no ombro

Carla Rosenvelt disse...

Recomeços são sempre bem vindos depois que gastamos os nossos sapatos em ruas de perguntas sem resposta. Fiquei feliz pela volta por cima. Fiquei feliz por que sábios não são aqueles que lutam pelo que querem, mas que deixam de lutar quando percebem que essa é a hora de parar.
Forte o seu texto.
Beijos, volta sempre, ta?

Lua Nova disse...

Devem ter sido momentos difícies e seriam mais ainda se não fosse a sensatez que rege as atitudes do protagonista.
Podemos amar muito, sofrer muito mas manter a dignidade. E isso depende da sensatez.
Sempre.
Esse texto é bem mais do que um simples desabafo, é um caminho traçado pra outros na mesma situação. Uma hora temos que enxergar o que o coração não quer ver e seguir em frente, abrindo as portas para um novo começo que trará uma nova história, um novo amor, uma nova chance pra sermos muito felizes.
Que bom que já to te seguindo.
Beijokas.

Cristiano Guerra disse...

Haha, eu adorei. São os melancólicos que sempre prendem minha atenção. Pra começar, tem metáforas fabulosas aí. E depois que amor, sempre constrói boas histórias. Eu senti pena, e tenho uma sugestao, caso você queira ler: "Não quero perdoar você" lá na Oficina. Basicamente o mesmo tema, então é melhor do que eu dr opinião. ;D

Abraço

Cristiano Guerra disse...

Haha, eu adorei. São os melancólicos que sempre prendem minha atenção. Pra começar, tem metáforas fabulosas aí. E depois que amor, sempre constrói boas histórias. Eu senti pena, e tenho uma sugestao, caso você queira ler: "Não quero perdoar você" lá na Oficina. Basicamente o mesmo tema, então é melhor do que eu dr opinião. ;D

Abraço

Doce Nostalgia disse...

Ahhh eu gostei muito!
Melancólico na dose certa! haha

Beijo.

*Amanda* disse...

Preciso te contar... q o meu tomou um banho daquelesss esse fds! kkkkkkkkkkkkkkkkk...

saudade rodii*

bjs para o meu escritor preferido*

Tati disse...

Muito verdadeira a sua carta e eu achei que o teor de melancolia e raiva estão muito bem dispostos e envolventes.

Estou aqui lendo o que perdi... Ai quanta coisa boa...

Beijos