Contagem regressiva - Mês 6 (Final)

Hora do conto - Se você não leu, leia antes o Mês 1, Mês 2, Mês 3, Mês 4 e Mês 5

Sabe quando você sabe o que tem fazer, mas não sabe por onde começar? Eu estou nessa fase, quando olho para trás vejo que muita coisa poderia ter sido feita de uma maneira diferente, mas vejo o quanto mudei de lá para cá. Enxergo minha mudança interior, onde aprendi onde se escondem os verdadeiros valores da vida, tristemente percebi isso tarde demais. Percebi que há coisas que foram feitas que jamais terão conserto, que palavras amargas que cuspi feriram muitos que hoje não poderei me redimir. Mas "tarde demais" ainda não é o fim. Ainda há uma chama de vontade acesa, uma chama prestes a se extinguir, mas que ainda é o suficiente para aquecer. Tive a oportunidade de me despedir de muitos, de pedir perdão com arrependimento e perdoar verdadeiramente outros. Reuni coragem para dizer palavras há muito estavam entaladas em minha garganta. Ousei olhar para rostos que acreditei que nunca mais fosse encarar. Finalmente atei as pontas soltas. Terminei assuntos inacabados.
Nesses últimos meses, ironicamente, a vida me ensinou a viver. Me mostrou meu verdadeiro eu que se escondia atrás de máscaras de inconformismo, solidão e indiferença. A vida começou a cuidar da morte, que agora é uma companheira que caminha lado a lado, a vejo mais nitidamente, sinto seu toque gelado enquanto durmo e muitas vezes espero não acordar, mas acordo e um sol divinamente esculpido e brilhante me saúda. Mais um dia de vida, ou mais um a menos? Parei de me perguntar isso. Apenas me levanto, olho pela janela, dou bom-dia ao mundo e agradeço a Deus por mais dia.
Iniciei uma meta de falar com pelo menos uma pessoa que há muito tempo não falo, pego minha agenda antiga de amigos do passado e os ligo. Afastei ressentimentos familiares e voltei para os braços dos meus pais. Retirei as vestes da vergonha e me mostrei como sou a todos. Um homem fraco, com seus temores e anseios.
O tempo agora se tornou um carrasco imprevisível. Não sei o quanto dele ainda me resta.
Meu coração bate descompassado, minha respiração falha, meu corpo dói e quando acho que finalmente vou deixar esse mundo, tudo isso se restaura. E quantas vezes na nossa vida é assim? Vemos os problemas tomarem forma e se ajeitarem por si mesmos. Mas muitas outras vezes esperamos demais, observamos o problema e não fazemos nada para mudar. Quantas vezes perdemos oportunidades por medo de tentar? Quantas vezes preferimos nos calar quando deveríamos falar ou falamos quando deveríamos deixar o silêncio atuar? Quantas vezes machucamos os outros e ignoramos? Quantas vezes ferimos a nós mesmos sem piedade? Quantas mentiras contamos, em tantas outras acreditamos. Quantos erros e acertos tivemos? Quanto tempo desperdiçamos com algo que não valia a pena e quanto tempo deixamos de utilizar com aquilo que realmente era relevante? A vida ensina a gente todo dia, pequenas lições diárias, pequenos exemplos tímidos que nunca notamos. É sempre preciso uma tragédia para colocar as coisas no lugar.
Para quem fica eu só digo que viva intensamente, saiba aproveitar o que a vida tem de melhor e quem você tem de melhor. Abra os olhos para as coisas mais simples e verdadeiras. Deixe de lado pensamentos negativos e o rancor. Delete o ódio. Substitua as tristezas por alegrias, as lágrimas por sorrisos. Afinal, a gente nunca sabe quando nossa vida vai terminar, quanto tempo ainda teremos para acertar as contas. Comece aos poucos.
Acredito que já estou pronto para embarcar nessa última viagem, dei a mão para meu destino irrevogável e caminho rumo ao desconhecido. Não vejo luz nem trevas.
Meus batimentos se tornam mais fracos.
Um jorro de imagens passa pela minha mente.
Um último suspiro proclama o adeus.
E os meus olhos se cerram para sempre.
Se isso é o fim, ainda não sei, talvez seja apenas um novo começo.

Obs: É isso gente, o final foi esse, nada de tão impactante e imprevisível, agora tenho que fazer algumas observações.
No mês 1, o personagem descobre sobre a doença e à partir do mês 2 ele começa a passar pelos 5 Estágios do Luto (ou Perspectiva de Morte, nesse caso) e a cada mês ele vivencia um estágio, que são: Negação, Raiva, Barganha, Depressão e Aceitação. A intenção que tive ao escrever esse conto foi passar uma reflexão sobre a vida. Espero que tenham gostado.



Galera, visitem meu outro blog: Debaixo do pé de açaí

Compartilhe

Mais sobre o dono dos sorrisos

Autor de sorrisos. Sou aquele que fala sobre o que sente e o que não sente com a mesma veracidade. Há quem diga que sou feito de palavras e quem sou eu para discordar? Ao ler minhas (entre)linhas nosso laço se aperta e assim podemos ser íntimos, de alguma forma. Contatos: rodolpho.padovani@hotmail.com

15 sorrisos compartilhados:

*Amanda* disse...

E talvez esse não seja o Fim!!!
Parabéns Rodi!!!
Simmm!!! ficou maravilhosoo!!!
Uma lição de vida... ele não desistiu... simplesmente tentou consertar todos os seus erros.. fez o melhor que pôde... fez a diferença!!! e isso bastou para mantê-lo vivo... o máximo de tempo que lhe restava!!!

Ameiiii... mais uma vez!!!
;)

Tati disse...

Pois é...


Gostei demais. Valeu a pena ter voltado.
haha
.
Bom Coruja, você escreve muito bem e consegue colocar a gente dentro do personagem, sentindo cada gota do que ele está vivendo e eu admiro muito isso.

Gosto demais daqui.
Amei o conto e achei que ficou excelente.

'finalmente atei as pontas soltas'

Incrível o que essa frase pode fazer com a gente.

Brunno Lopez disse...

Você é um artista com as letras.
Isso realmente está divino.

Lu.S disse...

Oii

Ah ficou muito o seu conto, parabéns!
Gostei muito dessa última parte, ele deixou todo o orgulho de lado, olhou melhor para as pessoas e também para si mesmo. Ficou muito claro que, temos que aproveitar mais, tentar mais, não ter medo de errar, afinal estamos vivos e vivendo, e errar faz parte desse conjunto.
Gostei mesmo, e novamente parabéns.

Beijos!

RIO BRANCO SUD disse...

Eu não li o começo, mas pelo que vi do final, com certeza valerá a pena ler. =) O layout está bem interessante! Quando der, dá uma passada? :p

Jaqueline Jesus disse...

Nossa !! Ficou ótimo esse conto :O
Na verdade isso nem me surpreende né, rs.
Você soube passar muito bem a mensagem, esse conto é uma verdadeira reflexão sobre a vida e a maneira como a levamos.
Parabéns pelo ótimo conto, faça mais contos *-*
Adorarei ler :D
Beijos

@juusep disse...

Viver como se fosse o ultimo dia, se encaixa nesse seu conto que ficou muito bom!

Vanessa Monique disse...

Olá,desculpa pela demora em vim lhe visitar.
Tive um problema no pc e fikei uma semana afastada do blog.
Mas já estou voltando a postar.
:*

Mandy disse...

Nossa, que final emocionante. *-* Muito bom viu.
"Para quem fica eu só digo que viva intensamente, saiba aproveitar o que a vida tem de melhor e quem você tem de melhor. Abra os olhos para as coisas mais simples e verdadeiras. Deixe de lado pensamentos negativos e o rancor. Delete o ódio. Substitua as tristezas por alegrias, as lágrimas por sorrisos. Afinal, a gente nunca sabe quando nossa vida vai terminar, quanto tempo ainda teremos para acertar as contas. "
Sim, eu concordo plenamente com vc. De que serve uma vida se ela não for vivida intensamente, em todos os menores momentos tambem? :)
Eu vivo a minha mais ou menos dessa forma. Obrigada por me fazer refletir sobre a vida dessa forma. Parabéns mais uma vez pelos brilhantes textos.
Beijoos
Mandy

jackandradeh disse...

Adoreeei os "6 meses"..
Cmo sempre uma lição a ser aprendida e praticada..;)
parabens

Renata disse...

Tudo isso me pareceu tão verdadeiro, tão perto da minha realidade! Já passei por alguns momentos assim, ao qual a gente vê o quão as pequenas coisas são importantes, mas logo a gente esquece e regride tudo de novo, muitas vezes.

Triste mas é isso, assim mesmo.

Lury Sampaio disse...

Eu acredito sim que todo final é um novo começo, até a vida, renascendo em outro corpo...
Muito boa a história.
beijos.

Milla disse...

Gostei do conto. Achei que cada parte fazia a gente pensar nas coisas que estavam passado com ele...Escreva mais contos :)

beijos

Roberta Blá disse...

Obrigada pela visita ao meu blog.Adorei! =)
Gostei do seu texto.Quanta sensibilidade.O seu blog me trouxe boas energias,voltarei sempre!
Beeeijos

Felipe disse...

Um novo começo estar por vir.
Parabéns pelos textos :)
Muito lindo.