Keblinger

Keblinger

O que se esconde por trás das palavras

| segunda-feira, 29 de junho de 2015

Sempre fui daquele tipo de gente que segurava as palavras na mão com tanta força que no momento em que elas deveriam ser soltas já estavam tão atadas à minha palma que nem mesmo fortes sacudidelas as faziam sair. Sendo assim, sempre fui também muito calado ao que era intrínseco ao coração, achava que se era algo só meu, só do meu sentir, do meu querer, do meu pronome possessivo meu e de mais ninguém então não deveria compartilhar.
Porém há vários tipos de palavras e a escrita foi aquela que eu jamais consegui conter dentro de mim, pois ela pulsava por minhas veias, sussurrava secretamente em meus ouvidos e se mostrava em toda sua invisibilidade presa na minha retina. Então tão natural quanto respirar meus dedos aprenderam a dançar, primeiramente uma valsa sutil e acanhada na companhia de uma caneta qualquer, depois no salão de um teclado, tornando as palavras visíveis a cada passo trôpego da barrinha que se movia da esquerda para a direita, revelando os segredos guardados na melodia das letras e no som das teclas.
Entretanto ser recebedor das palavras não foi algo que eu costumava ser, eu as distribuía em textos construídos com o melhor uso possível do talento que eu acredito possuir, mas recebê-las? Não, não eu. Ter alguém disposto a depositá-las diante de mim como presentes nunca foi algo que cheguei a cogitar, pois, veja bem, sempre soube ser eu o doador de palavras, não o receptor.
Mas surpresas hão de vir pelo caminho. Feito aquela música que você está pensando e de repente escuta tocar em algum lugar, como uma coincidência muito bem arquitetada pelo destino.
Disse ali no início que sempre fui aquele que segurava as palavras, sim, disse no pretérito perfeito e o mais perfeito é que fique no pretérito mesmo, pois aprendi que as palavras não devem viver aprisionadas nas palmas das mãos ou na escuridão de uma boca fechada. Pelo menos não aquelas palavras destinadas à pessoa que te ensinou essa preciosa lição.
Hoje eu me tornei um receptor. Descobri que o que se esconde por trás das palavras são pessoas. E descobri também que assim como eu várias pessoas são feitas de palavras, várias delas são doadoras universais, mas que também podem receber algumas vez ou outra. Por trás das palavras também há sentimento, dos mais variados tipos possíveis. Então falemos deles, libertemo-los das trancas da língua e dos nós dos dedos, que enxerguemos suas cores ao vento e inventemos novos matizes.

Hoje eu sei que receber as palavras é tão bom quanto doá-las. Sei disso porque meus dias são mais coloridos por causa das belas palavras, daquelas três palavras, do sentimento por trás delas e das ações que as comprovam. Porque eu tenho uma doadora comigo, que adora me surpreender de tempos em tempos com embrulhos inesperados em forma de textos e declarações. Então nada mais justo do que usar dessas minhas palavras para doar meu pequeno obrigado diante da grandeza de tudo que ela me ensinou a sentir e viver.

E sim, eu sei que sou um cara sortudo.

Sobre a imagem: porque é em alemão ~ e há ótimas palavras nesse idioma e porque é pra ela.
E claro, devo deixar aqui o link do blog da moça encantadora que vem me ensinando a encontrar as palavras há muito perdidas dentro de mim ~> O que se esconde por trás das palavras. Apreciem.

Das datas que pedem flores, ou não

| sexta-feira, 12 de junho de 2015


(...) Coisa linda
Vou pronde você está
Não precisa nem chamar...

O moço que há até certo tempo não era afeito de celebrar datas que não fossem seus aniversários descobriu o sabor de outras datas e hoje não quer mais saber de trocar de paladar.

Além de novos sabores adocicados, ele conseguiu ser capaz de desanuviar seus olhos e enxergar diversas novas matizes escondidas em cada pincelada de cor que existe no mundo, assim como destrancou palavras dentro de si que jamais haviam atingido a superfície. Um moço distraidamente sortudo e, portanto, universalmente agradecido.

A moça que sempre preferira comemorar as datas recheadas de chocolate surpreendeu-se ao perceber que há outras datas tão deliciosamente saborosas quanto bombons, trufas e afins.

Ao mesmo tempo pôde apreender melhor as canções alegres daqueles passarinhos cheios de fôlego nas manhãs de domingo, sentiu-se mais ainda abraçada pelo toque do vento que trazia consigo a lembrança de um cheiro que se tornou tão seu enquanto confidenciava segredinhos com a lua silenciosa. Uma moça ocasionalmente distraída e, sendo assim, grata a vida e tudo mais. 

Esses dois podem ser vistos passeando de mãos dadas por calçadas, cochichando secretamente em bancos de praças, sorrindo um sorriso só deles enquanto observam o desenho das nuvens. Você pode até conhecê-los, são exímios dançarinos com dois pares de pés esquerdos, cantores graciosamente desafinados, desastrosamente apaixonados.
Eles podem ser você, seu amigo de infância, seu conhecido apenas de “bom dia”, seu colega de trabalho ou de escola, seu vizinho. Podem ser estranhos na fila do banco, transeuntes das ruas do centro da cidade, desconhecidos na mesa ao lado do bar.
Eles são aquele casal que dá graça de ver, que por entenderem que “o lar é onde o coração está”, encontraram no outro sua casa. São um mais um. São singularmente um plural. São dois caminhos que se esbarraram numa encruzilhada do avesso.

É bonito de ver quando a vida coloca moços e moças assim frente a frente, como peças em um tabuleiro que não podem mais seguir sozinhas, na qual o encaixe dos dedos é tão certeiro que não há porque se soltar. Não há o querer se soltar.
E por ser tão bonito de ver é que o mundo deveria ter mais encontros assim.
Por mais moços e moças apaixonados, por mais versos delicados, por mais abraços e beijos. Por mais amor.

Que mais pessoas encontrem o sabor dessas datas. 

Porque hoje é dia de abraçar bem forte, beijar sem pressa e estar perto daquela pessoa que você permitiu estar contigo e que se permitiu a sua presença. Porque hoje pede celebração, pede romance, pede sorrisos partilhados. Porque hoje a comemoração não é um presente objeto, mas sim o amor concreto. Então deixo aqui meu feliz dia dos namorados.
 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso