Keblinger

Keblinger

Daquilo que alimenta o viver

| quinta-feira, 9 de agosto de 2012


Sabe quando você abre aquela porta secreta que esteve trancada o tempo todo dentro de você mesmo e percebe que já não pode mais deixá-la trancada? Eu estou assim. Escancarei a porta dos meus sonhos e eles fluíram um a um e sacudiram-se exuberantes diante de mim, tantos dos mais variados tamanhos, cores e formas. Tantos que eu nem imaginava que pudessem caber naquele quarto tão pequeno. Vê-los soltos e travessos daquela forma fez brotar uma lágrima de tristeza em meus olhos, que se seguiu por outras lágrimas sem nome algum. Lágrimas de não sei. Lágrimas de não pergunte.
Então de repente você passa a entender que não sabe qual o seu lugar nesse mundo e a se perguntar por que afinal você está passando por essa vida. A vida é essa coisa de débitos intermináveis que começam a somar-se em sua conta desde quando você nasce. Não quero dever, quero ser livre. Livre para decidir mais que meus próprios caminhos, livre para decidir o quando. Viver acorrentado a qualquer tipo de coisa que te segura para trás não é viver, é coexistir dentro de si mesmo e ver as cores de seu tempo desvanecer. Não há nada mais triste que assistir seus sonhos se tornarem preto e branco até desaparecem num borrão de cor indefinível, por que então libertá-los? Não seria melhor que eles ficassem atrás daquela porta com a placa “utopia” pregada em letras garrafais?
Porque sonhar às vezes machuca. Sonhar dói quando seu sonho é incompreendido ou quando te dizem que ele talvez seja errado, mas não. Eu não estou errado por querer que minha vida seja mais que um roteiro mal escrito, que ela seja mais. Apenas mais.
E você percebe também que há dentro de si aquela chama que esteve sempre esperando por um sopro para inflar-se e abraçar tudo com seu calor flamejante, dando-lhe forças para não apenas seguir em frente, mas para querer seguir. Um desejo ardente irrompe em seu peito e você sabe que desistir nunca foi uma opção e os lábios se curvam como que por si só para formar um sorriso de canto por saber que ainda que tudo pareça injusto ao redor, ainda há pelo o que lutar. Ainda existem aqueles sonhos de aquarela que esperam por ti.
A esperança nada mais é do que a fé vestindo letras diferentes e ela prega que não é tolice acreditar em seu significado, que é preciso possui-la dentro dos bolsos e, vez ou outra, apertá-la entre os dedos para que sua essência escorra e possa ser notada. Há que ter essa fé cega em si próprio, em algo com sentido ou até mesmo naquilo irreal. Há que ter aquele refúgio particular onde você pode se encolher e se tornar tão pequeno somente para libertar-se do mundo.
Que você possa aprender assim como eu que os sonhos não permitem o talvez. Diga “eu vou fazer” e então faça. E não se esqueça daquela esperança aparentemente boba, ela pode ser tudo o que você tem quando você achar que não tem nada.

E sonhe. Sonhe que você é capaz de saltar daquele penhasco mortal e se atire. 

5 sorrisos compartilhados:

{ Lili } at: 10 de agosto de 2012 00:45 disse...

Que lindo, parece que foi feito para mim. Exatamente como estou me sentindo.
Rod, você arrasa!

{ Thaís. } at: 16 de agosto de 2012 00:27 disse...

Que isso, não precisa se desculpar quanto à demora, pois eu também demorei. Então, surpresa inesperada? HAHA, mas que bom que gostou.

Estou sonhando também, querendo mais, querendo ir além. Dentro da minha mente vários sonhos estão assim, quase transbordando de mim. Mas além de sonhar é preciso cooperar para que eles aconteçam. Preciso aprender isso ainda.

Um beijo, @pequenatiss.

{ Alexandre Lucio Fernandes } at: 18 de agosto de 2012 13:53 disse...

Os nossos sonhos têm imenso valor. Nunca deixemos de sonhar. Não importa o que os outros dizem sobre eles. Ninguém sabe tanto quando nós mesmos, o quando vale a pena lutar por algo que tanto ansiamos.

Sonhemos. E seremos capazes.

Belo texto meu amigo!
Abraço!

{ Amanda Menezes } at: 21 de agosto de 2012 22:38 disse...

Ooi Rod :) senti falta de ler seus textos incríveis. E esse aí é mais um né.. Bom falar de sonhos é comigo mesmo, eu acho kkk. É sempre muito bom viajar na nossa imaginação, ainda mais quando se tem alguma companhia pra tornar esses sonhos realidade. Viver é isso pra mim.

Beijoooos e saudades.
Amanda Menezes

{ Tati Tosta } at: 5 de outubro de 2012 13:47 disse...

Você é bom, sempre digo isso porque é a mais pura verdade - você é ótimo no que faz Menino. E sabe, acho lindo um rapaz ter tanta capacidade de exprimir o que sente, o que vê e pensa - as pessoas de auto impossibilitam de mostrar-se sensível, enquanto você não, você se desnuda nos sentimentos e eu acho isso ótimo.

sinto-me assim inúmeras vezes, sem sonhos, sem objetivos e é até demorado o processo de me auto reanimar...

Mas é preciso. Atirar-se.

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso