Keblinger

Keblinger

Daquilo que não se explica

| quinta-feira, 21 de abril de 2011
“Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.”
(Mário Quintana)

A nossa vida é baseada em perguntas, mais do que em respostas, pois muitas questões, às vezes, não possuem uma resposta ou esta é tão ambígua que se torna difícil defini-la. Dos grandes questionamentos universais, destacam-se indagações a respeito do amor, da vida e da felicidade, podemos então dizer que esses três elementos estão interligados de alguma forma? Talvez sim.
A maioria das pessoas que enxergam que a vida é única e que somente por essa característica em particular ela deve ser valorizada, hão de buscar a tal felicidade. Nesse ponto começam mais perguntas, tais como “há um caminho para a felicidade?”, “como encontro a felicidade?” e a mais intrigante de todas elas “o que é a felicidade?” É evidente que para cada pessoa o conceito de felicidade é pessoal, então vou responder no meu ponto de vista.
A felicidade é, em primeiro lugar, mais um dia de vida, com saúde e com disposição. Não há medidas exatas para dosá-la, nem doses à venda no mercado. A felicidade vem de dentro, é um estado de espírito, uma vontade que escorre para fora.
Ouso dizer que essa peça rara e tão desejada se esconde atrás de coisas simples e triviais, aquelas bem rotineiras e aparentemente desimportantes, fazendo isso para nos pregar peças. A felicidade acena de um sorriso sincero, conforta através de uma palavra amiga, aquece por meio de um abraço verdadeiro. Ela passeia pelo vento, canta com a voz dos passarinhos e emana seu brilho pela luz do sol e da lua. A felicidade é o saber reconhecer cada gesto sutil da natureza, é o encantar-se com a singeleza de uma joaninha e inebriar-se pelo perfume das flores.
A tal felicidade é tão explícita a olho nu, porém tão ignorada pelos olhos desatentos. As pessoas tendem a não notar aquilo debaixo dos seus narizes e então buscam em outros lugares o que sempre esteve tão perto. A felicidade não se busca, se descobre. Basta uma olhada para seu interior que você perceberá que ela está encolhida num canto, apenas desejando ser encontrada.
A felicidade é olhar para trás e se dar conta de que seu álbum de lembranças agradáveis está cheio, e se não estiver, há sempre a esperança ditando que tudo vai ficar bem. Felicidade é superação, é acreditar em si mesmo, é uma semente que brota nos mais diferentes terrenos. Ela, além de tudo, é contagiosa, se derrama pelos olhos e atinge quem estiver por perto e receptivo a acolhê-la.
A felicidade não é egoísmo, é partilha. Não é solidão, é companhia. Não é rancor, é perdão.
A felicidade é simples e por ser simples ela é especial.
Precisamos parar de idealizá-la e de colocá-la em um ponto distante no horizonte e abrir nossos olhos distraídos para perceber que nem tudo aquilo que queremos é o que nos fará feliz e sim aquilo que já possuímos.
A felicidade não te escolhe, cabe a você decidir se a quer ou não. Eu a quero, eu sou feliz à minha maneira de existir e tento irradiar as pessoas ao redor com pitadas desse sentimento nobre que é um direito da humanidade.
Talvez um texto de milhares de caracteres jamais poderá traduzi-la, porque algumas coisas simplesmente não se colocam em palavras, se vivem.

Pauta para 134ª Semana do Blorkutando

Dedicado a Cristiano Guerra que acreditou em mim.

7 sorrisos compartilhados:

{ Inercya } at: 21 de abril de 2011 02:41 disse...

"se esconde atrás de coisas simples e triviais, aquelas bem rotineiras e aparentemente desimportantes"...
acredito nisso também. a felicidade é tudo aquilo que nos arranca um sorriso, até mesmo um esboço de sorriso.
Por exemplo, encontrei a felicidade em seu texto, se é que me entende. (:
:***

{ Beatriz Amorim } at: 21 de abril de 2011 11:52 disse...

Olá! (:
Vim avisar que estou tendo muitos problemas com meu blog, por isso que estou com outro:

http://segredosvelados.blogspot.com/

Quando puder, da uma passadinha lá!
Grande beijo
Feliz Páscoa!

{ Pires Silva } at: 21 de abril de 2011 13:20 disse...

Que lindo Rodolpho. Sempre com a mente iluminada falando sobre os assuntos mais complicados da forma mais simples. Felicidade tbm, é poder ler um texto maravilhoso como o seu e com isso ir lembrando de cada coisinha boa que se passa em nossas vidas. Muuuito bom, muito talentoso. :D

{ » Cynthia Brito! } at: 21 de abril de 2011 15:52 disse...

Ai, ai. Esse Rodolpho sempre contagiando as pessoas com esses sorrisos tortos! Bom, poderia falar tantas coisas aqui, mas iria acabar num outro texto tão grande quanto o seu, porém, prefiro dizer que concordo com o que você disse e digo mais. "Se você não encontra a felicidade, não significa que esta não existe. Pelo contrário, deve estar debaixo do seu nariz, mas algo te cega de tal forma a te impedir de vê-la."

Boa páscoa!!!

beeeeeeeeeeijos

{ A Escafandrista } at: 21 de abril de 2011 20:14 disse...

Meu Deus, como vc escreve!!! bjs querido, boa páscoa pra vc e sua familia.

{ *Amanda* } at: 21 de abril de 2011 21:16 disse...

De todos os texto que li aqui... até hoje... esse é o que mais me encantou... mais me chamou atenção..
porque a felicidade é o que temos de melhor!!!!!!!! e descrita por você... se torna perfeita!

Parabéns!

{ Cristiano Guerra } at: 25 de abril de 2011 00:09 disse...

A felicidade, Rod, é também coragem.
As pessoas só não a encontram, quando não se põem a procurar. E é preciso coragem, todo tempo, pra seguir buscando ser feliz.

Muito obrigado.


Ah, avisando a todos:
Esse texto ficou em 2º lugar no Blorkutando por uma questão de décimos. Alguém entendeu que ser feliz é uma case a mais ou uma vírgula a menos. Mas o mérito é sempre daquele que último sorri.
E, Rod, você é o mestre!

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso