Keblinger

Keblinger

O homem de pedra - Parte 5

| sexta-feira, 18 de março de 2011
Hora do conto - Para entender, leia a Parte 1, Parte 2, Parte 3 e Parte 4

Raquel voltou para o vilarejo e encontrou seu irmão parado diante da porta de sua casa, ele exibia um olhar profundo, como se uma sombra estivesse se formado sobre sua cabeça.
- Eu o encontrei – ela disse a ele.
- Eu tinha certeza que você diria isso, sendo verdade ou não, o que acredito que não seja – ele retrucou irritado.
- Mas é verdade, ele está lá na floresta, um homem de pedra branca. Ele está sujo e todo coberto de...
- Venha já para dentro, Raquel – a voz de sua mãe soou abafada por detrás da porta.
- O que você disse a ela? – a moça perguntou aborrecida ao irmão.
- Nada, eu juro.

De todos os rapazes exibidos da vila, Ártemus era o pior de todos eles. Ele era um jovem forte para os seus vinte e cinco anos, todo sorridente para as donzelas que cruzavam seu caminho, mas como todo jovem caçador pretensioso à procura de uma presa, ele já escolhera quem seria a merecedora de estar ao seu lado.
Sempre que Raquel passava, ele a cortejava cheio de si, ora elogiando os inúmeros atributos que até mesmo ela desconhecia de si mesma, ora declamando versos horríveis que ele insistia em escrever.
"Eu ainda vou me casar com essa mulher." Ele dizia a si mesmo depois de ser ignorado por ela.

No dia seguinte, Raquel, furtivamente, se esgueirou para dentro da floresta e deixou seus passos apressados lhe conduzirem até o homem empedrado.
- Olá, Homem-estátua, eu não sei seu nome, pois todos no vilarejo temem dizê-lo em voz alta por acreditar que uma maldição vá atingi-los. Meu nome é Raquel - ela disse a Athos, que apenas ouvia, silencioso como sempre. - Quase me meti em apuros por sua causa, meu irmão desocupado contou a nossos pais que eu estive aqui, minha mãe tomou minha noite com sermões de como é perigoso entrar na floresta desacompanhada e... - e ela começou a contar de sua vida, sua rotina no vilarejo, falou das brigas com irmão.
- ... e tem também o Ártemus, um sujeito metido que está sempre me cercando e me aborrecendo. Ele é bonito, eu sei, um bom partido, todas as moças da vila gostariam de ser cortejadas por ele, mas eu não quero isso para mim, sabe? Não quero um casamento arranjado... - ela desabafou opiniões sobre relacionamentos.
- ... eu já disse para todo mundo que eu não sei cozinhar, toda vez que tento fazer algo, minha comida fica horrível ou eu a queimo. Às vezes eu acho que eu nasci na época errada, é como se tudo aqui não me atraísse e assim eu sinto que não pertenço a este lugar. Não sei se você já se sentiu assim, sozinho no meio de muita gente. Eu não sou uma garota que precisa ficar falando o tempo todo, sei bem dos meus pensamentos e guardo-os para mim...
"Por favor, fique quieta", Athos implorou, se arranhou por dentro desejando ser capaz de fazê-la se calar.
- Acho que falei demais por hoje, adeus Homem-estátua, amanhã nos vemos - ela disse e se afastou dali.
Athos ouviu as últimas palavras dela e mais do que qualquer outro dia, quis fugir dali e desaparecer para sempre.

Um faisão imponente e majestoso cruzou a vista do homem de pedra, aquele era um sinal de que a bruxa estava de volta.

EM BREVE - PARTE 6

6 sorrisos compartilhados:

{ A Escafandrista } at: 19 de março de 2011 00:30 disse...

contos de r. padovani.. ai ai ai rsrs bom vir aqui.. bjinhos.

{ maanu;* } at: 19 de março de 2011 10:04 disse...

Que delícia de cantinho rapaz.
Tu escreve muito bem .
Adorei :D
Beijos meus ;*

{ • Cynthia Brito • } at: 19 de março de 2011 11:13 disse...

Selo 69 para você em meu blog, Rodolpho :D Bom fim de semana!

{ Francilene Suri } at: 19 de março de 2011 17:16 disse...

É pessimo não poder estar sempre por aqui, mas ando tão sem tempo, e acho que você também né Rodolpho? rs
Mesmo assim obrigada por parabenizar o Nostalgia, fico feliz! ^^

Anda escrevendo muitos contos não é?
Adoroooo!

Beijos!!!!

{ Rebeca Postigo } at: 19 de março de 2011 19:12 disse...

Aguardando a continuação...

Bjs

{ Tati } at: 27 de março de 2011 20:11 disse...

Você sempre consegue me encantar. Deixa eu ler o próximo.

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso