Keblinger

Keblinger

Serial Killer - Parte 3

| sábado, 5 de fevereiro de 2011
Hora do conto - Para entender, leia a Parte 1 e Parte 2

Estavam todos na sala de reuniões no início da tarde, um quadro branco diante deles exibia várias fotos da vítima. O sargento deu sinal para que Rita falasse:
- As buscas com as prost... garotas de programa foram inúteis, pelo que me parece a vítima era nova na região e recebia seus clientes fora da vista das outras, embora nenhuma se simpatizasse com ela acredito que não tinham motivo para cometer um homicídio.
McNeil fez um gesto com a cabeça em agradecimento e pediu para Fayad falar:
- A vítima possui marcas no pescoço, o que indica que ela foi estrangulada antes de ter a garganta cortada e também um pequeno corte na altura do abdômen, creio que ele faria algo mais com ela se tivesse tempo. A pele que chegou pelo correio confere com os cortes nas costas da vítima e o DNA é o mesmo.
- O bilhete nos leva a crer que estamos lidando com um assassino em série, você teve algum sucesso com aqueles números malditos, Det. Bowley? – o sargento perguntou.
- Fiz algumas pesquisas e encontrei uma pista que pode nos levar ao modus operandi do assassino. Não somente os números nos levam a um fator relacionado, ele fez várias menções interessantes nesse crime – explicou ele – O ano de 1888 foi o ano em que Londres foi assolada pelos crimes de Jack, o Estripador. Jack assassinava prostitutas e o nome de umas de suas vítimas era Mary Ann e uma carta, supostamente escrita por Jack, entitulada “Ao Caro Chefe”, foi encaminhada à sede central da polícia de Londres com informações do próximo crime. Aparentemente estamos lidando com algum maluco fanático por filmes de terror, é questão de tempo até que ele cometa algum deslize.
- Muito bem, obrigado pela informação, detetive. Podemos nos manter nessa linha de investigação. – disse o sargento – Rita, envie patrulhas para o local de trabalho das garotas de programa, precisamos mantê-las em segurança até pegarmos esse desgraçado.

***

- Por que esse mau-humor todo? – perguntou Samuel à Rita no corredor.
- Eu sou uma policial, droga, ele me colocou de babá das prostitutas porque eu sou mulher, isso não é justo – reclamou ela.
- Ele é o chefe, não podemos contestar. Pegue esse assassino que ele vai comer na sua mão – disse Bowley atirando um sorriso sedutor e acrescentou – Te vejo mais tarde.

***

- Ei Fayad, quer sair para tomar uma cerveja hoje? – Joshua convidou.
- Hoje não, Josh, vou estar ocupado essa noite e esse caso está me dando dor de cabeça, principalmente porque o sargento vive pegando no meu pé.
- Vai estar ocupado, hein? – disse Joshua debochando e fez um gesto obsceno com os braços e a cintura.

***

(...) As autoridades ainda não encontraram o assassino que invadiu a casa de um sargento da polícia, que estuprou e matou sua esposa, as investigações estão... Sean McNeil ouvia em sua cabeça as vozes dos repórteres dos noticiários e sentia o ódio tomar conta de seu ser. Sua mulher fora brutalmente assassinada e o assassino nunca havia sido apanhado, desde então ele se tornou um homem amargurado e com desprezo sem tamanho por monstros como aquele.

***

O homem caminhava pelas sombras, seguro de sua invisibilidade. Em passos lentos e furtivos, como um lobo à espreita de sua presa. E lá estava ela, indefesa, a alguns metros à frente. Ele apressou o caminhar, retirou um cutelo de uma bolsa preta que carregava e tirou mais uma vida.

EM BREVE – PARTE 4

10 sorrisos compartilhados:

{ @juusep } at: 5 de fevereiro de 2011 14:53 disse...

Bem, é ruim postar sempre seguidamente porque quem não acompanha fica perdido rs, como eu. Não entendi muito bem, e apesar de não gostar de Serial Killers, tá ficando bacana. Beijo

{ Gabriela Furtado } at: 5 de fevereiro de 2011 17:28 disse...

Ahhhh, quero logo a parte 4!!!
beijos querido =***

{ @barbarakang } at: 5 de fevereiro de 2011 22:46 disse...

Acho que estou apaixonada! UHSAOIUEHIUSE, estou fascinada por este conto. E adorei o sobrenome Weber... IUASHEUHIUESHUE. Rodolpho você é um gênio.

{ Alexandre Fernandes } at: 6 de fevereiro de 2011 15:24 disse...

Rodolpho, voltei a postar.
Quando puder passa lá no blog para tomar um café ou um chá comigo.

Um abração!

{ cássia vicentin } at: 6 de fevereiro de 2011 15:40 disse...

Com calma, vou ler desde o começo depois, mais tá mto legal /hm

{ Rebeca Amaral } at: 6 de fevereiro de 2011 19:45 disse...

Quando sai a coletânea de contos do senhor Rodolpho Padovani, hein? Já quero o meu exemplar... E autografado, viu!

Mais uma vez, textos incrivelmente envolventes.

Beijo!

{ Flávia } at: 7 de fevereiro de 2011 16:23 disse...

Cadê essa parte 4 pelo amor de Deus!?
hahaha

Muuito curioosa! ^^
Beijos

{ Arianne Carla } at: 8 de fevereiro de 2011 19:24 disse...

Vim parar aqui por que o vi nos favoritos de um blog muito querido meu. "Serial Killer" chamou bastante minha atenção, gosto de ler sobre eles, tentar decifrá-los, e escrever sobre eles.

{ Tati } at: 15 de fevereiro de 2011 15:32 disse...

cutelo? como assim?
Eu ri, sério.
Que medo. Deixa eu ler o próximo e vc é louco que história feia.

{ • cynthia bs } at: 23 de fevereiro de 2011 10:41 disse...

Ah, né fogo? Quero descobrir logo quem é esse assassino.

Indo ler a 4ª parte super ansiosa...

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso