Keblinger

Keblinger

[Re]construções

| terça-feira, 4 de janeiro de 2011
♫ (...) Todos caminhos trilham pra gente se ver
Todas trilhas caminham pra gente se achar, né? ♪

Acordei assustado no meio da noite, passei a mão pela cama, sobre o lençol bagunçado, mas você não estava lá. Na verdade você nunca esteve lá, você apenas se deitou comigo em meus sonhos e ao acordar a realidade te rouba de mim.

Andei a vida toda, um passo de cada vez, sempre tentando fazer a coisa certa e seguir o caminho correto. O medo de dar um passo fora da linha e de me perder pela estrada me fazia seguir estritamente o risco no chão e com isso eu caminhava de cabeça baixa, atento somente à linha... Mas dizem que é preciso estar distraído para encontrar o que realmente procuramos.
Numa dessas minhas caminhadas de pensamentos soltos, olhos baixos e mãos no bolso, foi que eu esbarrei em você. Geralmente eu não levantaria a cabeça nem pediria desculpas, apenas continuaria meu caminho, ignorando a interrupção momentânea, mas alguma coisa, mais forte do que eu, me fez despregar os olhos do chão e encontrar seu sorriso desajeitado. Desculpamos-nos ao mesmo tempo e você sorriu outra vez por essa coincidência.
A pressa que eu vestia rapidamente desvaneceu e meus olhos só tinham olhos para você. Seus cabelos eram despenteados pelo vento, seu rosto parecia esculpido em mármore, feito pelas mãos de um artista de talento incrível.
- Me desculpe – eu disse outra vez, ainda sem saber porque, talvez fosse apenas um pretexto para te manter por perto por mais algum tempo.
- Pelo o quê? – você perguntou e sua voz, clara e sem o peso da minha flutuou no ar e bailou no vento.
Será que é isso que chamam de amor à primeira vista? Mas eu nunca acreditei nesse tipo de coisa, ou melhor, podemos nos apaixonar à primeira vista, mas com o tempo essa paixão diminui, portanto prefiro me apaixonar a prestação. E você na minha frente me dominava os sentidos.
- Por ficar encarando – respondi e desviei, relutantemente, o olhar.
Outro sorriso simples e magnético brotou em seu rosto, você toda educada me disse que estava atrasada e partiu. Deixou-me sozinho com a minha linha sob os pés.
O chão sugou meus olhos outra vez e sobressaltei-me ao vê-lo. Eu estava fora da linha.
Então é assim? As coisas acontecem fora da linha? Os caminhos se cruzam para formar outros caminhos. Os pés escorregam para um novo sentido.
Olhei para trás e percebi que enquanto mantive meus passos na direção que as regras gritavam eu não vivi a minha vida como eu queria.
Agora vou reconstruir meu caminho, meus pés e minha direção. Levantarei a cabeça e passarei a enxergar olhares e belos sorrisos. Tropeçarei por não ficar atento ao chão e procurarei com calma, por um par de mãos para aquecer as minhas, por um par de olhos profundos para eu me afogar e por aquele sorriso riscado no canto da boca para combinar com o meu.
Por mais forte que seja seu alicerce, a vida é feita de reconstruções, às vezes precisamos pôr abaixo algumas atitudes e edificar outras em seu lugar.

Deitei na cama, você já me esperava e não era sonho dessa vez. Encontrei você fora da linha que eu seguia, seu olhar grudou no meu e seu encanto me enlaçou.
Toda noite quando deito ao seu lado eu me desculpo e você, sorrindo encabulada, me pergunta o motivo e eu sempre respondo:
- Por te querer só para mim.

Primeiro texto em homenagem aos blogs em 2011. O [Re]construções é o blog da Tatiane Tosta, espero que ela e você que está lendo tenha gostado do texto. Abraços.

10 sorrisos compartilhados:

{ Danii } at: 4 de janeiro de 2011 11:57 disse...

Super singelo, adorei *-*
Acho que existe mesmo essa coisa de se encantar com alguém que mal conhecemos com um simples olhar. Mistério. A vida tem dessas coisas né. Se é amor eu não sei, mas é um sentimento muito bonito (:

{ Rute Vieira } at: 4 de janeiro de 2011 12:09 disse...

Mas, de olhar tanto para a linha, ela entorta e a gente nem percebe. E só é digno de deparar-se assim com surpresas boas quem sabe sorrir pra os imprevistos.

Que reflexão boa, Rodolpho! Parabéns =)
Beijo no ombro.

{ Carlos10 } at: 4 de janeiro de 2011 18:44 disse...

Na verdade você nunca esteve lá, você apenas se deitou comigo em meus sonhos e ao acordar a realidade te rouba de mim.

Achei legal pra caramba essa parte, texto muito bom está de parabéns Rodolpho.

{ Tati } at: 4 de janeiro de 2011 23:32 disse...

Eita Rapaz que LINDO, to aqui emocionada, os olhos marejados d'água... E pra ser sincera você com esse texto conseguiu falar tanto de mim Rodolpho...

"Então é assim? As coisas acontecem fora da linha? Os caminhos se cruzam para formar outros caminhos. Os pés escorregam para um novo sentidoo.
Olhei para trás e percebi que enquanto mantinha meus passos na direção que as regras gritavam eu não vivi a minha vida como eu queria.
Agora vou reconstruir meu caminho."

Vou pegar ele e colocar lá na minha página, amei demais - Obrigada querido.


Beijos

{ Metamorfoses } at: 5 de janeiro de 2011 01:47 disse...

Um tempo q não venho por aki, que abandonei meu blog, tbm...
O título Re-construções me chamou atenção... Justamente pq falei em (re) no textinho q escrevi...
Belo como sempre!
bj!

{ Gabriela Furtado } at: 5 de janeiro de 2011 11:59 disse...

Apesar de não crer em amor a primeira vista me encantei com o texto! Super lindas essas tuas palavras cheias de sentimento...
Um beijo, meu querido.

{ Natália } at: 6 de janeiro de 2011 08:28 disse...

E quando menos esperamos no meio do nosso trajeto diário encontramos o nosso amor. Beijo

{ Francilene Suri } at: 9 de janeiro de 2011 14:18 disse...

Queria citar pelo menos uns cinco trechos que gostei ... mas me prendi mesmo na musica, eu amo essa musica!!!! haha

Tudo lindo!

Beijão.

{ } at: 10 de janeiro de 2011 02:47 disse...

Eu ia comentar em uma das partes do conto, mas só o trechinho da música já me arrastou logo de cara pra cá!
Amei o texto, achei o final lindo demais...
Fazia tempo que não passava por aqui, mas... sei lá, tô na crise, prefiro nem ler outros blogs pra não lembrar que não consigo escrever nada que preste, humph!
Saudaaades daqui...
beeijo

{ Thiara Ribeiro } at: 10 de janeiro de 2011 11:27 disse...

Os caminhos se cruzam para formar outros caminhos!

É a coisa mais bonita que já li sobre o destino!

:)

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso