Keblinger

Keblinger

A falta que o tempo trouxe

| domingo, 5 de dezembro de 2010

Tudo chega ao fim, é o que prega a melancolia e o tempo que se arrasta de forma imperceptível até o momento derradeiro que ele se projeta diante de nossos rostos e nos força a aceitar que ele tem o poder. O tempo tão mascarado por gargalhadas e sentimentos de união, no final se mostra imparcial e traz aquela indesejada despedida ao seu lado.
Somente a tristeza se desprende de meus dedos nesse momento, enquanto um filme mudo passa em minha cabeça, os olhos lavados em lágrimas é a prova de que tudo o que foi vivido valeu a pena. Houve altos e baixos, crises, tensão, mas o que prevalece na memória, pintado em forma de lembranças, são aquelas situações pitorescas e alegres.
A efemeridade do tempo não se resume a dias, meses ou anos, e sim em circunstâncias. E tudo passa mais rápido do que a gente queria.

Na verdade não sei como superarei essa falta que começa a tomar conta de dentro para fora, não consigo sanar essa sensação de vazio dentro de mim e pode ser que eu nunca consiga. Novos risos não apagam o som daqueles que já passaram. Novas pessoas não substituem as que o coração acolheu.
Parece exagero ter saudade de pessoas que não vejo há poucos dias, mas não é apenas saudade, é a perspectiva de que acabou, de que as noites de segunda a sexta serão meramente noites de segunda a sexta. É a sensação da certeza de que tudo isso é um tempo que não volta mais. Não há repetições.
As palavras me fogem nesse instante, como se soubessem que eu me embaralharia tentando escolher quais eu deveria usar.

Quero acreditar que o que chegou ao fim foi apenas uma fase, pois tenho certeza de que tudo o que é de verdade permanece. Pode ser que a distância e os dias tentem se fazerem grandes demais, mas o laço de companheirismo que se estende há de permanecer forte o bastante para agüentar os solavancos do tempo que corre apressado, em busca de algo que nem mesmo existe.
Depois do que passa começamos a reavaliar as coisas, houve tanta palavra não pronunciada, tanto abraço não dado, desculpas que não foram pedidas, agradecimentos que não foram feitos, tudo tragado pela pressa dos dias e pela distração.
Aprendi nesses últimos anos que existem milhares de tipos de pessoas, vi máscaras se formarem e caírem, ouvi palavras que não merecia e recebi conselhos daqueles que realmente se importavam comigo. Tive ainda mais certeza de que o que torna uma pessoa especial não é o tempo que ela está em sua vida.
Sorri os sorrisos mais sinceros, gritei quando tive vontade, cantei até mesmo quando não deveria, pulei, corri, cai. Cativei e fui cativado.
Quando olho para esse tempo, tão recente, que está ficando para trás, veja bem, o tempo fica, as pessoas vão comigo, eu não me arrependo do que fiz, se eu errei, foi tentando acertar e pude aprender com isso.
Que os dias possam fazer sentido novamente.

Enfim, aos amigos que fiz, às lembranças que plantei e aos momentos que ajudei a construir, esta é minha singela homenagem.
Vou sentir muita falta de vocês.

16 sorrisos compartilhados:

{ Luana } at: 5 de dezembro de 2010 01:40 disse...

O tempo realmente passa, e passa muito rápido. Nos resta ficar com as lembraças do que já aconteceu e não dá para ser mudado ;/

{ Luana Santana } at: 5 de dezembro de 2010 11:38 disse...

Oi querido...

O final do ano vai chegando, certas coisas já avistam o fim né verdade? Essa semana que vai começar será a minha última na escola. As vezes bati uma triste e em outras uma certeza, um fase concluída. MAs doi também, doi saber que por mais que tenha sido bom, muitos deles não irão se repetir, sabe? Não verei muito deles e ai sinto que tud é uma grande falsidade, só pq está acabando vamos dar valor? Não.
Mas ai tem as pessoas que sempre estão com vc, e mesmo que vc saiba ou tenha medo de que não dure, você tem a certeza que foi verdadeiro, e como você disse, o que é verdadeiro, fica.


obs. Aumentei a letra sim, e jamais iria ficar aborrecida por vc ter dito que a letra estava pequena. E a história ficou com gosto de quero mais? Calma, que tem continuação.

Beijos.

{ José María Souza Costa } at: 5 de dezembro de 2010 12:29 disse...

Muito bom o seu texto. Esclarecedor e de fácil entendimento.Eu tenho um blog, muito simplório. Estou lhe convidando a visitar e se possivel seguirmos juntos por eles. Estarei grato esperando por vc, lá
Abraços de verdade

{ Fernando } at: 5 de dezembro de 2010 12:34 disse...

A efemeridade do tempo as vezes mata a esperança antes mesmo de a termos.

Você consegui explorar essa dor de o tempo assar e as coisas acabarem muito bem. Obrigado pelas suas palavras de hoje.

Abraço amigo.

{ Bell Souza } at: 5 de dezembro de 2010 13:53 disse...

Eu devo tomar esse texto como verdade?

{ Flávia } at: 5 de dezembro de 2010 14:56 disse...

aeeeee!
Q teexto liindo! :D

Odeeio fins, vc bem sabe! Odeio ter q me afastar daqueles q fizeram parte da minha vida, mesmo q por pouco tempo. Dois anos, mas muita alegria e amizade!
É terrível ter q se acostumar com isso... Mas, o que é verdadeiro realmente fica! ;)

I looove you! [Uuuuuu... kkkk]
Beeijos S2

{ Metamorfoses } at: 5 de dezembro de 2010 21:20 disse...

Nossa, totalmente a ver com meus sentimentos atuais...
Sinto-me um poço de saudade, acho q experimento as coisas com muito mais intensidade q todos q conheço, q já passaram pela minha vida...
É saudade demais, amor demais, desejo demais, tristeza demais...
Tudo aqui dentro, contido, ansiando para extravasar...rsrs
Amei, Rodolpho!Sempre Vale a pena passar aqui...
Bjão!

{ Charlie B. } at: 5 de dezembro de 2010 21:25 disse...

Okay, dizer que eu só li é mentira, eu adorei ler isso, foi uma descrição precisa do que eu estou vivendo neste fim de faculdade. A formatura é só em fevereiro, mas tenho que pensar no que discursar neste dia que está por vir. Obrigado por me ajudar a pensar. Foi lindo, muito lindo mesmo.

Mas acredite haverão tempos felizes, confie.

Charlie B.

{ Aline Carla } at: 5 de dezembro de 2010 22:27 disse...

Entre idas e vindas a blogs achei o seu, adorei este texto, achei muito lindo mesmo! O espaço tmb apresenta bom gosto, voltarei sempre que puder, já estou seguindo; se quiser dar uma passadinha no meu cantinho, sinta-se convidado!

beijo

{ Jéssica Trabuco } at: 5 de dezembro de 2010 23:54 disse...

O importante é que o que é de verdade nunca acaba ;)

{ Rodrigo Passos } at: 6 de dezembro de 2010 01:11 disse...

Perfeito! Ótimo texto!

{ Thiara Ribeiro } at: 6 de dezembro de 2010 16:21 disse...

Descreveu meu momento. Como se soubesse exatamente o que estou sentindo. Às vezes acho que você me conhece, seus textos servem como uma luva na minha vida!

Me deixa postar esse texto PERFEITO no Meu Mundo Inteiro?

;**

{ *Amanda* } at: 6 de dezembro de 2010 20:19 disse...

*A amizade é o amor que nunca morre*

Nada como o melhor ecritor.. pra me fazer chorar!

{ juliusnishi } at: 8 de dezembro de 2010 09:05 disse...

PQP ><#
Choray chashas d'água ~.~
Mas ri litrus tbm aushduashduahd
"pulei, corri, caí" KKKKKKKKKKK
Mais caiu do que outra coisa, mas isso soh faz de vc mais inesquecível. Assim como os foras da Flávia, os rompantes da Kelly, a risada da Hannah e as caçadas do Teddy. UASHDUASHDUASHD
Enfim, não vou me despedir, vou apenas dizer "até logo".
^^

{ Francilene Suri } at: 19 de dezembro de 2010 12:27 disse...

Muito bom!
Haha, o tempo passa muito rapido
rápido mesmo!!!

Mas o importante é o fica *-*

Beijos!!!!

{ Tati } at: 2 de janeiro de 2011 12:38 disse...

Bom meu querido, sem palavras pra comentar tudo isso.
Você decorou e pintou seus momentos e sentimentos de forma tão bela que fico sem ter o que lhe dizer.

Belissímo e profundo.

Beijos

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso