Keblinger

Keblinger

O eremita e o dragão - Parte 6

| domingo, 7 de novembro de 2010
Hora do conto - Para entender, leia a Parte 1, Parte 2, Parte 3, Parte 4 e Parte 5

O dragão não entendeu toda a irritação do homem e ficou surpreso com aquela reação inesperada.
- Isso é trapaça - gritou Rufus indignado - Essa última charada é impossível de responder.
- Não se você pensar com calma e ficar atento a todos os detalhes. - falou o dragão - Ou você pode simplesmente desistir, isso não seria tomado por covardia e estamos só nós dois aqui, não há motivos para se envergonhar por não saber, afinal ninguém sabe tudo, não é?
- Eu não desisto, seu trapaceiro ordinário, eu exijo outra charada - retrucou Rufus sem se lembrar de que estava falando com um dragão, o que por si só já é um bom motivo para manter a língua afiada dentro da boca, além de não estar em posição de fazer exigências.
- Você aceitou meu desafio sem exigir nenhuma regra, agora não existe essa possibilidade. - argumentou o dragão - Ou você responde ou desiste.
- Já disse que não vou desistir, lidei com sujeitos da sua laia do lugar de onde eu venho...
- Então por que você não se acalma e me conta desse tal lugar? - sugeriu o dragão, tentando ganhar mais tempo para desfrutar da companhia do eremita.
Rufus ponderou por um segundo e achou mais sensato manter a calma. Sentou-se novamente, tomou um gole de água e mergulhou em memórias que tentava esquecer.
- Nunca conheci meus pais, eles podem ser nobres ou camponeses, mas nunca saberei. Desde quando tenho lembranças eu vivi na casa de um ferreiro que me tratava pior do que a seus cavalos, na adolescência ele me vendeu para uma trupe por umas poucas moedas de ouro. O grupo itinerante era composto de pessoas más e mesquinhas. Fui forçado a fazer o trabalho pesado e o que mais fosse considerado degradante para eles. O meu pagamento era a sobra da comida horrível que até mesmo os cães recusavam.
O dragão pode ver as marcas que a vida havia imposto naquele jovem sem destino, permaneceu quieto, alimentou a fogueira e continuou a ouvir a narrativa.
- Havia um velho músico entre eles que fora como um pai para mim, apesar de sua reputação ferrenha ele me acolheu e me apresentou o mundo da música. Toda noite após meu serviço humilhante eu tomava aulas de canto e flauta, o instrumento que me apeguei facilmente. Aprendi a compor, mas minhas canções não continham o ardor pecaminoso que eles desejavam e por isso eram rejeitadas. Suportei essa vida por quatro anos, sofrendo, me desgastando e recebendo em troca xingamentos e pontapés, até a noite em que decidi fugir.
- Eu vinha planejando a minha fuga há algum tempo, mas sempre era fisgado por imprevistos e contratempos, mas não daquela vez, reuni meus poucos pertences, roubei um pouco do ouro deles, apanhei minha flauta e parti. Parti sem rumo, andando depressa para não ser pego por eles na próxima vila. Estou nessa vida de andarilho há pouco mais de quatro meses, me escondendo e rezando para que não me encontrem e foi aí que nosso caminho se cruzou. - ele terminou de falar e percebeu que o dragão estava afundado na história, como se fosse à dele próprio.
- Você teve uma vida dura, jovem poeta, uma vida marcada pela dor e por castigos desmerecidos. - o dragão falou com empatia.
- Infelizmente, mas isso tudo é uma estrada já percorrida, ficou para trás. - o dragão concordou com a cabeça. - Ainda não descobri a resposta para sua charada, dragão sem nome, então por que você não me conta a sua história agora?
Os olhos do dragão brilharam de emoção, era a primeira vez que alguém se interessava por sua vida. Acomodou-se diante da fogueira, esticou os braços e as asas e começou.

EM BREVE - PARTE 7

4 sorrisos compartilhados:

{ Tati } at: 7 de novembro de 2010 16:54 disse...

'Esticou os braços e as asas e começou...'

Espero que não demore pra postar, to curiosa.

Beijos

{ Metamorfoses } at: 7 de novembro de 2010 23:58 disse...

Obs 1: Gente, mas haja imaginação, viu??rs!
Obs 2: Dragão carente! O sentido pode ser duplo... Vixe, acho q começo a viajar demais...rs
Obs 3: A imagem da semana está hilária. Ou pode ser chamada se sexy??rs
bj!!

{ *Amanda* } at: 8 de novembro de 2010 14:38 disse...

Nhaaaii.. tadinhooo.. era um dragão solitárioo!!!

Será que o dragãozinho vai virar uma princesaaa???!!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...

Posta logo pra eu saber Rodii!!!

^^

bjks*

{ Thiara Ribeiro } at: 12 de novembro de 2010 23:09 disse...

Sairia um excelente filme desse conto!

Mesmo!

;*

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso