Keblinger

Keblinger

Menina bordada

| sábado, 18 de setembro de 2010
Do meu cantinho eu sempre a vejo encostada na janela contemplando o céu estrelado. Seus traços suaves e sua expressão sorridente foram as coisas que me cativaram de imediato. A garota brincava com ela todo dia e o dia todo, mas sempre que chegava a noite e o sol se deitava para dormir ela a colocava no mesmo lugar de sempre, ao alcance de minha vista.
A menina boneca, de pano, bordada, nunca piscava ou deixava de olhar o céu escuro. Ela nunca olhou em minha direção. A menina bordada, com seu vestidinho rosado costurou em mim seu encanto com uma linha que ninguém mais consegue cortar ou arrebentar.
Minha vida aqui era vazia sem sua presença. Minha vida era sem sentido até sua chegada. Ah, menina de pano, macia. Joga teus braços leves sobre mim e me arranca suspiros. Ela não me ouve, ela está longe.
Lá da janela ela vê o mundo, tudo mais interessante do que eu.
Eu estou na prateleira no canto do quarto. Um urso marrom de nariz preto. Um urso de pelúcia que foi esquecido pela garota crescida, ignorado pelos outros ursos e fisgado pelas linhas dos contornos da face da menina boneca de pano.
A luz da lua atravessa o vidro e ilumina o rosto encantador da boneca repousada suavemente na janela. Ela sacode os cabelos trançados e empina o nariz de um jeito que me arrepia de emoção. Ela ameaça olhar para os lados, mas as estrelas sempre tomam sua atenção.
E a noite vira dia, as estrelas desaparecem e eu perco de vista a minha imagem de contemplação. Passo o dia esperando a noite chegar para poder vê-la novamente.
Naquele dia a menina já moça brincara com a boneca sem parar e exausta esbarrou na prateleira onde me encontro, o baque foi brusco e não pude me segurar, despenquei e caí sobre o tapete.
Senti a mão da menina me pegando e me levando a um local diferente. Ela me moveria, isso não pode acontecer. Vou perder a estrela da minha noite.

Anoiteceu.
Quando dei por mim estava diante da janela fria, ouvindo a respiração do vento e assistindo a dança das estrelas. Olhei para o lado e lá estava ela, tão perto, tão... tão linda.
- Eu me perguntava quando teria a honra de conhecê-la, Menina Boneca. - eu disse a ela com a voz boba de um ser apaixonado.
- Bem que você poderia ter se atirado ao chão antes, Sr. Urso. - ela sorriu para mim com as bochechas coradas. - Toda noite vejo o mundo lá fora e me sinto sozinha, eu não ousava olhar para ti para não sentir a tristeza e enxergar a distância que existia entre nós.
- Eu estou perto agora, Menina Boneca. E espero que essa noite demore muito para acabar. Eu sempre imaginava como seriam as estrelas e a lua, mas percebo agora que nada é mais deslumbrante que seu sorriso meigo.

A menina boneca sorriu e atirou os braços em volta do urso marrom e as estrelas se tornaram platéia do amor que nasceu.

Terceiro texto em homenagem aos blogs. O Menina Bordada é o blog da Thammy. Desculpe se se sentir ofendida por eu ter usado o nome do blog. Espero que tenham gostado do textinho.

22 sorrisos compartilhados:

{ Flávia } at: 18 de setembro de 2010 18:09 disse...

nhaaaa
que texto lindinhooo da bonequinha de panooo!!
Adoreei! rsrsrs

Muito boa essa sua criatividadeee! =P

beeijão S2

{ Juci Barros } at: 18 de setembro de 2010 18:18 disse...

O texto é lindo! Você é muito talentoso!
Beijos.

{ Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ NARA CABRAL Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ } at: 18 de setembro de 2010 20:06 disse...

lindo demais
beijos

{ Lua Nova } at: 18 de setembro de 2010 20:28 disse...

Achei uma delícia de texto e fiquei torcendo pra que acabasse bem. Adorei quando as circunstâncias favoreceram esse amor de brinquedo, mas tão sério e tão doce.
Lindo... e vc tem uma alma igualmente linda, além de escrever muito bem.
Beijokas.

{ Rebeca Amaral } at: 18 de setembro de 2010 21:13 disse...

amei o texto, Rodi. ai que coisa mais maravilhosa de se ler, hein?
lindo, lindo, lindo!
criativo, doce... irresistível texto!

beijos, querido. aqui continua incrível!

{ Metamorfoses } at: 18 de setembro de 2010 21:26 disse...

Menina bordada. Lembrou-me menino prendado. Prendado na arte de escrever...rs!

{ *Amanda* } at: 19 de setembro de 2010 01:35 disse...

Ounnnnnnnnnn...
Realmente as coisas acontecem quando têm que acontecer.. para que a glória seja valorizada.. e nesse caso... para que o amor tenha valor diante do tempo!

lindoo... irresistível!!!!!

bjsss*

{ Guilherme Augusto Codignolle Souza } at: 19 de setembro de 2010 03:17 disse...

Um amor de brinquedo me lembra diversas musicas... Algumas bem distantes do texto e outras com relações que só minha mente e algumas histórias minhas relacionam abstratamente.... Como Brinquedo Toto da Pitty...

Enfim, gostei muito. ^^


Meu Blog a quem quiser visitar:

http://codignolle.blogspot.com

Meu Twitter a quem tiver:

https://twitter.com/guicodignolle

o/

{ Karla Thayse } at: 19 de setembro de 2010 08:19 disse...

Que lindo...

Me senti mais leve agora!

Beeijo

{ Charlie B. } at: 19 de setembro de 2010 12:57 disse...

Awn...que bonito, hein? Simples, poético e sonhador, gostei.

Abração, Charlie B.

{ Alexandre Fernandes } at: 19 de setembro de 2010 15:10 disse...

Simplesmente encantador a historinha. Muito singela e amorosa. Linda essa tua sensibilidade tão evidente. Você constrói coisas belíssimas meu amigo. E com uma doçura sem limites. Sorri demais lendo esse conto. Fui abraçado por cálidas sensações de amor, de ternura, de carinho.

Coisa linda demais. Gostei muito! Porque toda essa história enternece a nossa alma.

Grande abraço.

{ Thiara Ribeiro } at: 19 de setembro de 2010 18:55 disse...

Puro encanto! *-*

Perfeito, Rodolpho!

;***

{ Deise Lima } at: 19 de setembro de 2010 19:34 disse...

Sabe quando vc tá lendo alguma coisa e seus olhos não piscam pq vc está eufórico de tão envolvido na história?! assim que me senti e meus olhos ficaram meio brilhantes e molhados, ah Rodi como me faz bem visitar este lugar aqui! bjsss=*

{ Grafite } at: 19 de setembro de 2010 20:40 disse...

Que coisa mais linda!
[sem palavras...]


beiijo

{ Lury Sampaio } at: 20 de setembro de 2010 01:17 disse...

Que conto meigo *-* fez-me lembrar de toy story que amo tanto .
beijo.

{ rah } at: 20 de setembro de 2010 08:50 disse...

parabéens pelo blog x)

{ Thammy } at: 20 de setembro de 2010 15:52 disse...

Como eu poderia não gostar de uma homenagem tão doce e linda, ao mesmo tempo. É encantador Rodolpho, confesso mexeu aqui comigo, aqui dentro. Obrigada, mesmo. De coração. Esse tipo de carinho que renova nossas forças, já gastas, para continuarmos a bordar vidas e palavras.
Um beijo.

{ Cristiano Guerra } at: 21 de setembro de 2010 19:41 disse...

Haha, foi bonitinho. Daqueles textos que você sabe que vai ter um final feliz e fica ansiosíssimo para que aconteça! E, ah, finalmente um texto feliz, porque aqueles nossos tão osso!

Uma observação:
Não vou ler "Três amores e uma guerra""até que esteja todo pronto! Não quero ficar morrendo como fiquei com o outro. ';]

{ Daniella Ockner } at: 24 de setembro de 2010 17:44 disse...

Com certeza esse texto foi a coisa mais apaixonante do meu dia, e talvez, uns dos mais fofos que já li :) É impressionante a sua criatividade, de verdade! Admiro muito isso em você. Parabéns , um beijo !

{ Doce Nostalgia } at: 25 de setembro de 2010 00:45 disse...

Ahhhhh que lindo!
Bonecas de panos são tão fofas, e nós lembra as coisas mais antigas ^^

Adoreei!

Parabéns pela homenagem!
beijo.

{ Tati } at: 27 de setembro de 2010 17:51 disse...

Aqui tentando colocar a leitura em dia e completamente Maravilhada com o que você consegue Fazer Menino!

Está incrível, doce, intenso, belo e muito envolvente, amei tudinho.

Beijos

{ Daaý Brunett´S } at: 14 de outubro de 2010 12:01 disse...

Que conto mais lindo! perfeito *-*
Parabéns pelo talento...
voltarei mais vezes =)

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso