Keblinger

Keblinger

Mais que palavras

| sexta-feira, 3 de setembro de 2010
Como se mede o conhecimento de um homem? Como se mede seu talento, sua emoção e sensibilidade? E mais, como se mede seu amor? São questões que giram em minha mente toda vez que repouso minha cabeça no travesseiro, são perguntas que podem não ter respostas ou ainda não estou preparado para tê-las. A gente tem que buscar muita coisa nessa vida ao invés de ficar sentado esperando o trem passar, pois quando percebemos chegamos atrasado na estação e perdemos a viagem.
Sou um homem que conhece o amor através dos olhos alheios e de histórias contadas, não sei se foi a minha essência corrompida ou outra coisa que o afastou de mim, na verdade nem sei ao certo se ele já esteve ao meu lado. Nunca vi corações flutuando ao redor, nem senti um frio na barriga ao pensar em certo alguém. Parece que me fechei para o amor e ele pacientemente bateu à minha porta algumas vezes, mas fingi não ter ninguém em casa e ele se foi. Observei através da cortina da janela enquanto ele se afastava cabisbaixo e decepcionado. Afinal, eu permiti a visita dele ou ele apenas apareceu de repente?
Não entendo o amor por senti-lo ou tê-lo, ouço canções a seu respeito, leio versos que transbordam esse sentimento, mas me pergunto intimamente, será que ele foi feito para mim? O que uma pessoa tem de fazer para merecer o amor? Ele é um prêmio ou a conquista de uma batalha? Como pode uma palavra de apenas quatro letras conduzir devaneios e pensamentos tão distintos? Como pode essa mesma palavra ter tanto poder?
Acredito que mesmo que todas as palavras sejam usadas para descrevê-lo, ainda não seria o suficiente para dizer tudo a seu respeito. O amor não foi feito para viver preso entre vírgulas e pontos finais, ele existe para ser vivido, sentido, pulsado pelas veias e recebido pela alma.
Ao falar nele, sinto meu coração sorrir dentro do peito, logo percebo que não sou tão fechado assim. Prometo que na próxima vez que ouvir uma batida na porta, atenderei sem hesitação, só espero que essa nova visita não demore.
É preciso mais que palavras para falar sobre ele e muito mais vontade para possuí-lo.

O amor não vive em jaulas,
não perambula em vales hostis.
O amor paira no céu ameno
e habita campos coloridos.
Ele adocica o mais amargo fel
e dá gosto ao que é insípido.
O amor não é o começo, meio e nem fim,
ele é o todo... é o infinito.

Segundo texto (fictício) em homenagem aos blogs. O Mais que palavras é o blog da Rebeca Amaral. Espero não ter sido invasivo usando o nome do blog. O primeiro texto foi muito bem aceito e espero que tenham gostado desse.

13 sorrisos compartilhados:

{ Jaci Macedo } at: 3 de setembro de 2010 21:36 disse...

Que coisa mais linda ^^
"Acredito que mesmo que todas as palavras sejam usadas para descrevê-lo, ainda não seria o suficiente para dizer tudo a seu respeito."
Pura verdade. Quando se consegue descrever o amor, já não é mais isso.

beijos, coração. e obrigada pelos selos.

{ Tati } at: 3 de setembro de 2010 23:19 disse...

Que coisa mais linda +1


Icrível o quanto você consegue ser bom.
Amei cada detalhe.
Faz tempo que não passo aqui, quanta falta suas palavras me fazem.


Beijos

{ *Amanda* } at: 4 de setembro de 2010 00:25 disse...

Ahh o amorrrrr!

Acho que existem várias formas dele.. mas essa aí do texto deve ser a melhor delas!

;)

{ Guilherme Augusto Codignolle Souza } at: 4 de setembro de 2010 07:56 disse...

Caraca... Adorei o espaço. Muito legal mesmo...

Conquistou um seguidor. ^^

Quanto a seu texto... Forte. Palavras com presença. Vc me recordou algo que li uns meses atras no blog do Herculano Neto...

http://herculanoneto.blogspot.com/2010/04/homens-que-menstruam.html

De qualquer forma, vou continuar seguindo, ansioso pelas proximas postagens. ^^

Eu tenho um blog tbm... Se tiver tempo, passa la e me segue tbm se gostar do que encontrar:

http://codignolle.blogspot.com

Abraços

{ Flor de Lótus } at: 4 de setembro de 2010 12:12 disse...

Olá,Rodolpho!Passando para conhecer seu blog. O amor não vem com manual de instruções,não tem guias, nem caminhos, ele pode aparecer numa noite quente de verão querendo te levar para uma balada conquistar seu coração, pode chegar numa noite fria de inverno, querendo ser seu cobertor de orelha...
O amor só irá chegar quando você se abrir para ele, com certeza ele chegará de manciho quando você menos esperar. o amor possui muitos predicados, inspirou novelas, livros sempre inspira coisas novas e emocionantes...
Um ótimo fim de semana!
Parabéns pelo blog!
Beijosss

{ Alexandre Fernandes } at: 5 de setembro de 2010 13:56 disse...

Acho uma justa homenagem ao blog da querida Rebeca. E do título você soube muito bem conduzir um texto brilhante, perfeitamente orquestrado com a tua poesia tão fascinante e encantadora. Percorrer essas impressões sobre o amor é sempre uma das principais armas de todo poeta e escritor. E é lindo quando mesmo assim não descobrimos nada a não ser a plenitude infinita do significado desse sentimento, que vai muito além de qualquer palavras, mas mora muito completamente no brilho do nosso olhar.

E todos, à sua maneira sentem e têm o amor pra si. Não é sempre da mesma forma, porque o amor não é um estereótipo. Ele é derramado na alma de cada um por um cálice... um cálice infindo, resultante da ternura das almas humanas, e da preciosa existência de Deus.

O que ganhamos tem sempre uma forma distinta, mas o mesmo aroma.

Palavras para descrever?

Não. Não existem...

Mas o coração é o único que consegue traduzir as artimanhas de suas mensagens e de sua influência na nossa vida, na nossa alma.

Grande abraço meu amigo.

{ Karla Thayse } at: 5 de setembro de 2010 15:14 disse...

Encantada...

Tenha uma semana de luz!

Beijo

{ Flávia } at: 5 de setembro de 2010 23:00 disse...

Adoreei bb! =)

E eu acho q nós nunca devemos deixar o amor bater a nossa porta e não atender!!

Parabéns
beeijos

{ Rebeca Amaral } at: 6 de setembro de 2010 09:20 disse...

Rodi, você tem noção do quanto eu fiquei feliz lendo esse texto?
Sabe, querido, você soube sentir tudo que eu realmente quero dizer com o Mais que palavras.
Você falou de amor através de uma das definições mais lindas que eu já vi. Você foi sincero, você foi cativante.
E esses versinhos? Ai, Rodolpho! Lindo, lindo, lindo, lindo!
Vou fazer uma página lá no blog com esse texto, viu?
A homenagem mais linda de todas do mundo inteiro!

Beijos!

{ Rebeca Amaral } at: 6 de setembro de 2010 12:40 disse...

cadê meu comments linds? :/

{ Charlie B. } at: 6 de setembro de 2010 12:47 disse...

"O amor não é o começo, meio e nem fim,
ele é o todo... é o infinito."

Beca Amaral é inspiradora e poética, rs.

Abração, Charlie B.

Ps. Greys quase chegando! \o

{ Thiara Ribeiro } at: 7 de setembro de 2010 01:35 disse...

uma pessoa sem amor...deve ser totalmente vazia!
Tão triste pensar nisso... qdo o amor dá certo...ele aquece a alma!

Ficou perfeita a homenagem pra Rebeca!

;*

{ Leticía Gomes } at: 7 de setembro de 2010 12:05 disse...

ai rooo que texto maravilhooso *-*
não, eu não canso de me surpreender com você. tomara que daqui um mês eu pare de me empolgar tanto assim, já tenha me acostumado com as plavras bonitas a todo tempo, rs..

sabe do que me lembrou muito? uma música do lady antebellum, "if i knew then", que fala sobre o amor batendo na porta.
aaaai ai, lá vou eu ler os outros.
beijo.

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso