Keblinger

Keblinger

Dono da minha liberdade

| domingo, 22 de agosto de 2010
Nasci livre, sem rédeas para me controlar ou correntes para me prender no mesmo lugar. Vim ao mundo para tê-lo e não para pertencer a ele. Quero ganhar cada pedacinho de chão com meus passos curtos e ágeis. Quero saltar sem medo da queda, quero escalar sem olhar para baixo, quero sentir a adrenalina tomando conta de mim.
Não tenho pressa, não tenho plano, não tenho dono. A pressa só atrapalha a calma e o prazer de aproveitar o momento, planos não realizados me frustram, por isso deixo as coisas acontecerem naturalmente, não sigo a vida, ela que me segue e não sou de ninguém. Sigo minhas próprias regras, raramente sei onde meus passos me levarão, mas confio no meu instinto. Meu destino eu mesmo faço, vou seguindo a cada passo... se tem pedras no caminho eu aprendo a contornar.
A noite é minha amiga, mergulhado em sua escuridão eu ouso ir além dos meus limites.
Sou caçador da minha sorte e presa do meu destino. Não me prendo a afeições, nunca aprendi a lidar com isso. Nunca vi mãos altruístas se voltarem em minha direção, nunca ouvi palavras doces direcionadas a mim, talvez tenha sido isso que congelou meu sentimento e endureceu meu coração.
Eu vivo sozinho e admito que sou a minha melhor companhia. Não gosto de atrasos, embora eu não tenha nenhuma agenda ou compromisso.
Busco apenas passar pelo dia e alcançar o amanhã. Quem leva uma vida como a minha não pode esperar muita coisa do futuro. Minha má fama me precede, minha má sorte é minha maldição.
Meu nome? Eu não possuo um, sou livre até nisso, me chame como quiser, me apelide do que lhe convir, mas não me chame de seu, pois nunca serei cativo de ninguém.
Caminho por vielas escuras e por becos hostis. Vivo em cima do muro e corro por telhados à sombra da lua.
Meus olhos brilham como duas esferas de luz no breu noturno.
Não é mau agouro cruzar meu caminho, mas seja livre para acreditar no que quiser.
Nasci assim, um gato escuro como a meia-noite, vagando pelo mundo das sombras e fugindo das pessoas. Aprendi a temer o homem, pois ele acredita ser dono de tudo.
Se tenho sete vidas? Talvez nunca saberei, pois se perdi uma delas, a outra começou no mesmo segundo.
Sou tão mortal quanto você, só não me peça para abrir mão de minha liberdade, pois isso seria o mesmo que tirar a minha vida ou todas elas.

Pauta para OUAT - 58ª Edição - Música
Galera que gosta daqui e acha que o que escrevo pode virar um livro, votem no blog (quantas vezes quiserem) clicando na imagem do Blog Books. Obrigado.

14 sorrisos compartilhados:

{ raaw } at: 22 de agosto de 2010 22:02 disse...

É muito importante nos sentirmos livres, pois afinal ninguém é de ninguém.
Ninguém tem o direito de mudar ninguém, nem de controlar ninguém, nem de
exigir nada de ninguém. Cada um tem seu jeito de ser, de agir, de viver, e isso
ninguém pode tentar mudar.

Adorei seu texto, muito expressivo.
Beijos e uma ótima semana.

{ rawane kellyn } at: 22 de agosto de 2010 22:05 disse...

É muito importante nos sentirmos livres, pois afinal ninguém é de ninguém.
Ninguém tem o direito de mudar ninguém, nem de controlar ninguém, nem de
Exigir nada de ninguém. Cada um tem seu jeito de ser, de agir, de viver, e isso
Ninguém pode tentar mudar.

Adorei seu texto, muito expressivo.
Beijos e uma ótima semana.

{ - maria elis } at: 22 de agosto de 2010 22:14 disse...

e a cada dia eu me sinto mais livre (:

beijas, moço :*

{ Vanessa Monique } at: 22 de agosto de 2010 22:47 disse...

Liberdade!
Gosto de mts coisas, de mt gente, mas a partir do momento q qrm me prender viro fera.
Ótimo texto.
Vota no meu blog hein e torce.
:*

{ Cris Souza } at: 23 de agosto de 2010 09:14 disse...

Uau! ficou incrível!!! A liberdade... a há quem diga que a liberdade é doce e suave, mas não aqui, nesse texto!

{ Ju Fuzetto } at: 23 de agosto de 2010 10:33 disse...

A liberdade mora nas nuvens...

Basta voar para fora de si...

Adorei teu espaço, beijo e boa semana!!!

{ Flávia } at: 23 de agosto de 2010 14:44 disse...

hahaha
Sua cara esse texto!
Só espero q neem tãão SUA cara em certas partes! kkkk! =P

Adoreeei...
Tbm adoro minha liberdade e não gosto nem q me questionem sobre minha vida! rs...
beeijos bb

{ Rebeca Amaral } at: 23 de agosto de 2010 19:05 disse...

ai meu deus! quanto texto bom eu perdi por aqui!
ô Rodi, tô sem tempo pra nada. tenho saudade de te ler com frequência. ai, ai...

e você sempre tão surpreendente, hein? arrasando.
os textos do monge, então? parabéns!

beijos!

{ Jaci Macedo } at: 23 de agosto de 2010 21:56 disse...

Amei (: acho também que não conseguiria ficar sem minha liberdade. hoje em dia as pessoas tem tanta que nem sabem o que fazer com ela.

beijos, coração.

{ Cristiano Guerra } at: 23 de agosto de 2010 22:23 disse...

Rodolpho, sou meio suspeito pra comentar sobre esse. Não acredito na liberdade. Apesar de seu texto ter sido extraordinariamente bem construído, vou continuar com minha opinião. Sei lá, sou um cabeça dura. Não é a liberdade o que eu quero. Ela é muito fantasiosa. Mas vou deixar um verso que faz mais sentido pra mim:

"O que procuro ainda não tem nome" (Cecília Meirelles)

Abraço

{ Alexandre Fernandes } at: 25 de agosto de 2010 21:26 disse...

É deveras importante essa entrega liberta que a gente se faz perante a vida. Essa atitude nos permite sentir as coisas de forma mais plena. Porque viver bem é viver bem assim do jeito que a gente gosta nos sentimos bem.

É essencial que tenhamos essa liberdade para podermos explorar com totalidade a nossa função como ser humano e poder sentir na plenitude os aspectos que a vida têm para nos oferecer.

Estradas sempre vão ser construídas e portas abertas. Mas nós só as atravessamos com os nossos próprios pés, com as nossas próprias escolhas.

Liberdade é.

Abração meu caro! Bom resto de semana!

{ Thiara Ribeiro } at: 25 de agosto de 2010 23:05 disse...

A pressa só atrapalha a calma e o prazer de aproveitar o momento...

Sempre encontro verdades aqui!

{ ..::*::.. Palavra de Guria ..::*::.. } at: 26 de agosto de 2010 15:49 disse...

Nossa amei a maneira como voce descreveu..
beiiijooos

{ Mandy } at: 29 de agosto de 2010 19:37 disse...

Ganhou né? :) Só pode porque ficou lindo, como sempre.
"Se tenho sete vidas? Talvez nunca saberei, pois se perdi uma delas, a outra começou no mesmo segundo."
Adoooooooooooorei *-----------*
Beijão
Mandy

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso