Keblinger

Keblinger

Femme Fatale - Parte 3

| quinta-feira, 15 de julho de 2010
Leia antes a Parte 1 e Parte 2

Entrei no mesmo bar de costume, trajando um vestido azul-marinho que se ajustava perfeitamente ao meu corpo delineado, sentei-me no balcão dessa vez, algo que nunca fiz antes, notei o olhar inquieto e apreensivo do garçom e pedi um Martini. Os olhos dele não negavam, ele me conhecia, ele ouvira coisas sobre mim... ele achava que sabia quem eu era.
- Para entender quem eu sou hoje, você precisa entender quem eu fui um dia - eu disse a ele que se sobressaltou com o som da minha voz, então contei-lhe minha história.
Cresci numa alta sociedade, filha de pais separados e sempre cativa de ressentimentos de ambos os lados. Minha mãe sofreu nas mãos de meu pai que a trocava por outras mulheres. Meu pai dizia não ser amado o suficiente e buscava o que queria fora do casamento. Sempre achei essa atitude repulsiva e tomei ódio por homens que faziam isso e decidi que deveria ensiná-los uma lição.
Em uma noite qualquer, me vesti de vermelho e fui ao bar a procura de algum maldito infiel. Notei de longe a aliança no dedo de um cliente que atirava olhares a todas as mulheres do bar, fui até ele. O conquistei em pouco tempo e tirei todo seu dinheiro. Depois deste dia minha vida nunca mais seria a mesma.
- Essa não é bem a história que eu conheço - o garçom declarou.
- Nunca confie em um homem com o ego ferido - eu disse a ele - Provavelmente ele me pintou como a vilã da história, que partiu seu coração e lhe roubou tudo - ele assentiu em resposta.
Talvez eu tenha mesmo sido a bandida, a ladra que lhe tirou tudo e distribuiu cada centavo para os necessitados e ele me queria presa por isso e tenho que confessar que ele não seria o único.
Outra noite o brilho de outra aliança me chamou a atenção, um erro da minha parte, dessa vez, o homem não era um infiel, ele era um policial que me levou a prisão por roubo, mas ele não sabia que eu era inocente. Consegui escapar da cadeia facilmente. Sumi daqui por algumas semanas.
- Vê aquele bonitão na mesa do fundo? - apontei discretamente, o garçom fez que sim - Ele é dono de uma empresa milionária e trai a mulher há cinco anos. Acho que está na hora de eu lhe ensinar bons modos.
Levantei-me, o garçom em silêncio apanhou o dinheiro do meu drink e observou meu caminhar provocante até o homem em questão que abriu um largo sorriso malicioso ao me ver chegar.
- Tem fogo? - perguntei.

FINAL

Pauta para Sílaba Tônica
_____________

Playlist atualizada

12 sorrisos compartilhados:

{ daniella } at: 15 de julho de 2010 16:42 disse...

não sei de onde surgem essas idéias.. ahah ficou demais (:

{ Tati } at: 15 de julho de 2010 18:00 disse...

Ei Moço... Sempre incrível Coruja.
Jamais imaginei que você seguiria o conto até levá-lo a este lugar...

Ficou realmente Incrível e surpreendente!

Gostei muito.


Grande Beijo Coruja.

{ Brunno Lopez } at: 15 de julho de 2010 18:31 disse...

Está bem interessante.
Aliás, tudo por aqui.

{ Carla Rosenvelt } at: 15 de julho de 2010 19:10 disse...

Não entendi por que ela resolveu contar toda a sua vida para o garçom. :S
Ela fuma? .-.'

uaheaueuaheaaueahea
muito bem escrito, rodolpho!
tenho gostado..

beeijos

{ Flávia } at: 15 de julho de 2010 20:06 disse...

ai ai ai...
Até onde vai essa sua criatividade little boy? rsrs!
Adoreeeii.
Assim como a Tati não imaginei q chegaria a isso o conto, e gostei mto do final :)

Como sempre...
Parabéns!
Beeijócas! =P

{ Mônica Alves } at: 15 de julho de 2010 20:21 disse...

adorei, muito bom!

{ Mandy } at: 15 de julho de 2010 21:18 disse...

Nossa, surpreendente *-* Adoooorei demais. E bom, eu viajei demais aqui. Parabéns mais uma vez Rod.
Bom, agora vou ler os outros textos ai de baixo, e ter a certeza do motivo de ser sua fã. ;)
Beijão
Mandy

{ Milla } at: 15 de julho de 2010 21:45 disse...

Adorei o final da história! Acho que para julgar uma história é preciso saber todos os lados da mesma história para se decidir em que acreditar.

beijos

{ Stella Rodrigues } at: 16 de julho de 2010 08:54 disse...

Seus textos estão ficando parecidos. Todos estão bem bons, envolventes, que prende a gente a cada letra (:

{ Evelyn Ceinwyn . } at: 16 de julho de 2010 11:48 disse...

E teus contos são fantásticos.
Te expressastes muito bemm.
Adorei.

abraços e sorrisos.

{ Italo Stauffenberg } at: 16 de julho de 2010 12:49 disse...

- Tem fogo? (cuma?)

Muito bem escrito o texto e que mulher hein?

Quero distância dessas suga-sugas!

^^

Valeu a visita, volte sempre.

http://manuscritoperdido.blogspot.com

{ Manie } at: 23 de julho de 2010 01:14 disse...

eu AMEI, sem mais!

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso