Keblinger

Keblinger

Amizade renascida

| segunda-feira, 19 de julho de 2010
Eu e ela éramos amigos desde a infância, conhecíamos os segredos e os detalhes da vida um do outro, mas o tempo nos separou, o tempo veio sorrateiro, se aconchegou entre nós enquanto seus braços nos empurravam para longe, um para cada lado, já não caminhávamos na mesma trilha, já não dividíamos as histórias e risos de antigamente.
Foi em uma tarde nublada que recebi seu telefonema, as gotas de chuva começaram a cair e pontuaram a curta frase que ela disse: Preciso te ver.
A voz séria dela do outro lado da linha me deixou intrigado, peguei o carro e em pouco tempo cheguei em sua casa. Assim que a vi, percebi o quão duro o tempo tinha sido com ela, as marcas que a vida lhe impôs eram nítidas e os olhos marejados denotavam uma tristeza sem tamanho.
- Eu senti sua falta - ela me disse - A cada segundo, a cada dia que passava, eu senti sua falta.
- Eu não sei como deixamos nossa amizade chegar a esse ponto - eu respondi - Não sei como nossa união e cumplicidade se deterioraram com o passar dos anos. Nós simplesmente nos afastamos, paramos de nos preocupar...
- Eu sempre me importei...
- Mas nunca fez nada pra me demonstrar isso, você foi me tirando de sua vida aos poucos, foi me deixando de lado, a importância que eu tinha foi ofuscada por outras pessoas que apareceram em sua vida, suas novas experiências deixaram de ser dignas de meu conhecimento. Você me esqueceu. Eu já não era aquele companheiro que compartilhava suas dores e alegrias, você me transformou em um estranho.
- Eu te digo o mesmo, ambos temos culpa aqui. Você sempre esperava que eu o procurasse, era sempre eu que tomava a iniciativa. Você nunca se deu conta de que eu também esperei por você?
Abaixei a cabeça consternado.
- Nós dois erramos, que tal recomeçar?
Ela permaneceu em silêncio por um longo tempo, as lágrimas pingavam e eu tive receio de me aproximar.

- Eu perdi meus pais há dois dias - ela disse por fim - Eles sofreram um acidente...
Naquele instante eu senti o peso da dor dela, caminhei sem pensar em sua direção e a envolvi em um abraço.
- Eu não quero recomeçar... - ela continuou - eu só quero continuar de onde paramos. Eu quero meu amigo de volta, aquele que sempre esteve lá por mim, aquele que sempre me ajudou quando eu precisei...
- Eu estou aqui, eu sempre vou estar aqui e nada mais vai ficar entre nós. Não vou permitir que a vida nos separe outra vez. Me desculpe por ter sido negligente com nossa amizade e eu sinto muito pelos seus pais.
- Promete cuidar de mim... - e ela começou a recitar nosso poema de amizade de infância, revivi aquela cena antiga, dois pequenos amigos debaixo de uma árvore frondosa num dia ensolarado e me juntei a ela:

Promete cuidar de mim quando o vento forte soprar e a maré estiver alta demais para que eu possa nadar;
promete me abraçar quando os trovões rugirem no céu escuro da tempestade;
promete guiar meus passos pela estrada desconhecida do infinito;
promete me ouvir, me aconselhar, me apoiar, me dar a mão quando o medo vier;
promete estar sempre por perto para me ajudar com meus problemas;
promete ser meu amigo mesmo que o tempo venha e nos afaste;
promete ser minha luz quando só houver escuridão ao meu redor;
Promete?

Quando terminamos, minhas lágrimas haviam rolado sem que eu percebesse, pois me dei conta de que todas as promessas foram quebradas, me dei conta de que deixamos aquelas duas crianças, cheias de esperança na amizade, morrerem. Deixamos o tempo apagá-las e sufocá-las no baú de memórias esquecidas.
- Eu prometo - eu disse a ela - Eu prometo.
Ela se soltou de meu abraço, se levantou, apanhou um diário que estava na mesa e me entregou.
- Olhe na data do meu aniversário - ela disse.
Folheei o diário e me deparei com minha caligrafia de tempos atrás:
"A amizade é um amor que nunca morre." Mario Quintana
A pedi uma caneta e escrevi:
A amizade é a promessa de um amor eterno entre dois corações que se reconhecessem. E eu prometo cuidar-te, abraçar-te, guiar-te, ouvir-te, aconselhar-te, apoiar-te, dar-te a mão, estar sempre por perto, ser seu amigo e sua luz.
Ela leu, sorriu e disse:
- Te prometo a mesma coisa.

E depois desse dia nossa amizade de infância foi retirada daquele baú profundo e as crianças passaram a viver em nós novamente, com mais intensidade. A nossa amizade teve altos e baixos, mas a verdade de sua essência nunca deixou de existir e por isso somos amigos ontem, hoje e seremos, com certeza, amanhã. A amizade requer cuidado, carinho, atenção... um amigo é aquele que liga, se preocupa, mas quando isso não acontecer pode ser que ele espere pelas mesmas coisas.
A amizade, quando verdadeira, é como uma fênix, mesmo que se transforme em cinzas, ela renasce.

Pauta para a 53ª Edição do OUAT - Frase

13 sorrisos compartilhados:

{ *Amanda* } at: 19 de julho de 2010 00:50 disse...

"Promete cuidar de mim quando o vento forte soprar e a maré estiver alta demais para que eu possa nadar"...

Prometoo Rodii.. vc promete?!

se o seu barco não aguentar, eu te dou carona no meu... não precisa nadar não!!!! ^^

Nhaaaaaa... amooo todos os textos de amizade! e esse eh mais um dos melhores!!!

Mtooo bom ter um amigo escritor!! rsrsrs...

bjinhus*

{ Lu.S } at: 19 de julho de 2010 07:37 disse...

Oii

Ah ficou lindo esse pequeno conto. È um exemplo que não devemos só esperar que uma amigo nos procure, temos que também demonstrar interesse. Amizade, como qualquer outra relação, é uma via de mão dupla.

Beijos e boa semana!
Ah e boa sorte. Tomara que escolham o seu texto.

{ jackandradeh } at: 19 de julho de 2010 12:04 disse...

O que é de verdade nuncaa morre..!! Adoreeeei...!!

{ Rute Vieira } at: 19 de julho de 2010 20:44 disse...

Cara, me dá um pouco dessa porção mágica da criatividade? Meu Deus, que coisa boooa é isso aqui, ein?!
Lindo conto. E o juramento, vou te contar, viu? Chorei aqui!

Lindo, parabéns!
beijo no ombro

{ Milla } at: 19 de julho de 2010 21:31 disse...

Adorei seu texto! Acho que as amizades devem ser renovadas com o passar dos anos, para que não sejam esquecidas nem trocadas.

Beijos

{ Camila } at: 20 de julho de 2010 14:32 disse...

"Não vou permitir que a vida nos separe outra vez." Lindo!

{ Rebeca Rocha } at: 20 de julho de 2010 14:50 disse...

Não pude conter o sorriso.
Muito lindo.

{ Amanda Vieira, } at: 20 de julho de 2010 15:22 disse...

Caramba, uma história e tanto, a pouco tempo me vi em uma situação parecida com esta.
adorei a forma como você contou,
Parabéns pelo super talento.

{ Sara Carneiro } at: 20 de julho de 2010 16:49 disse...

[aaa] Que texto lindo *-* A tua criatividade é incrivel Rô (: A maneira como tu falou sobre amizade me emocionou, sabia? Parabéns, tõ amando cada dia mais o teu blog. - bom, prometi pra você que ia te visitar mais, e é o que estou fazendo. Beijos, meu escritor preferido :D

{ Vanessa Monique } at: 20 de julho de 2010 17:12 disse...

Que lindo!
I promisse!
Feliz dia do amigo.
Tem selinho pra ti no meu blog.
Continue com seu talento.
:*

{ Tati } at: 20 de julho de 2010 19:51 disse...

Ok. Eu admito. Eu chorei.

Sem mais comentários né.


Beijo.Beijo. Feliz dia do Amigo e obrigada pela sua sutileza e intensidade.

{ Karine Melo } at: 20 de julho de 2010 20:24 disse...

Que lindo texto sobre amizade!

Parabéns...

beijos :*

{ daniella } at: 21 de julho de 2010 23:31 disse...

a amizade pode renascer e, muitas vezes, na minha opinião (: que cada um tenha oportunidade de reconhecer a valor de um verdadeiro amigo

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso