Keblinger

Keblinger

Tique-taque

| segunda-feira, 14 de junho de 2010
Os ponteiros do relógio trabalham incansavelmente, subindo e descendo, voltas e mais voltas naquele tique-taque contínuo. O vento lá fora sopra devagar, quase um suspiro que arrepia os galhos das árvores e derruba algumas folhas ao chão. Os raios do sol do fim de tarde lutam para atravessar o tecido da cortina e banhar o cômodo de luz. O som do silêncio apetece meus ouvidos cansados da balbúrdia diária. O ar cheira a nada e isso me faz bem.
Tique-taque.
Borboletas voam em busca de flores no jardim. Formigas carregam alimentos para o estoque de inverno. Joaninhas passeiam pelo verde da grama. Toda uma variedade de vida minúscula bem diante de mim. Pássaros retornam aos ninhos, alimentam os filhotes e se preparam para ver a lua se erguer no céu.
A luz da lua saúda o sol do outro lado do horizonte, que parte entre as nuvens alaranjadas. Algumas estrelas começam a salpicar o manto azul-marinho do céu. A noite chega. O vento manso ainda percorre o ambiente, tornando-se mais gélido. Vagalumes brincam de piscar.
Tique-taque.
O relógio da parede continua seu trabalho, indiferente a qualquer mudança.
Um latido na noite atrai outro latido e isso gera uma cadeia de eventos. Latidos e uivos. O bater de asas de morcegos e o pio das corujas. Aquele silêncio se desfaz. Sons de pneus irrompem no ar. Risadas e palavras indistintas pairam ao longe. Um horizonte de mistérios e acontecimentos.
Tique-ta.
Não é sempre que me vem o hábito de observar as coisas ao redor, mas isso é relaxante. Ver o dia virar noite. Ouvir os sons noturnos. Analisar a fragilidade de uma micro fauna. O tempo é curto demais para notarmos isso. A correria nos afasta dessa calmaria. O mundo quer falar. O vento quer nos acariciar. O sol quer nos aquecer e as estrelas nos acalentar. Basta pararmos de vez em quando e permitir esse contato.
Tique.
O relógio parou. Preciso trocar as pilhas.
E assim tudo volta ao seu ritmo normal.

11 sorrisos compartilhados:

{ Tati } at: 14 de junho de 2010 00:09 disse...

Vontade de brigar com você que me deu agora.
Como você me diz que esse texto é bobo Rodolpho?
.
Sério Moço, desenhou um cenério Intenso. Provocou sensações fortes. E ainda levou a mente da gente linha após linha pra outro plano.
E são em coisas assim que eu digo que você brinca com as palavras com Classe... Eu nunca que consigo fazer assim.

Gostei muito. Não achei nada bobo. Ao contrário - Além de intenso e bem escrito - está envolvente e reflexivo.

Grande Beijo Moço e obrigada pelo encanto... Grande prazer em poder te ler

{ Flávia } at: 14 de junho de 2010 00:53 disse...

É...
Não sei pq vc ainda pensa q algum texto é bobo ou que não está 'tão' bom...

Muuito bom esse! =)
Senti cada detalhe do cenário que foi pintando na minha cabeça!

Parabéns bb!
beeijos ;)

{ Mandy } at: 14 de junho de 2010 01:10 disse...

Aaaain ameeeeeeei demais Rodolpho. *---* Realmente o tempo não deixa o mundo falar. :) São poucos que param pra entender tudo o que ta acontecendo ao redor.
"O tempo é curto demais para notarmos isso. A correria nos afasta dessa calmaria. O mundo quer falar. O vento quer nos acariciar. O sol quer nos aquecer e as estrelas nos acalentar. Basta pararmos de vez em quando e permitir esse contato." Ficou perfeito *-*
Beijoos
Mandy

p.s.: desculpa ter demorado pra vim aqui, semana de provas, sabe como é =/ mas agora eu to de volta viu. :)

{ Barbara Salvan } at: 14 de junho de 2010 10:12 disse...

Amei demais o post!
Muito boom *-*
Beeijo

{ Rebeca Amaral } at: 14 de junho de 2010 11:20 disse...

UAU! exímia riqueza de detalhes!

e o tempo, sempre acelerando tudo.

ótimo texto!

beijos!

{ Emi } at: 14 de junho de 2010 14:00 disse...

GENIAL!
Caramba, amei. Amei, amei, amei!
Que sensibilidade a sua, viu?
Você tem um tipo de escrita que lembra a de um amigo muito querido meu! Ambos transformam o cotidiano em mágica, é meio por aí.
Adorei esse post, Rodolpho. Pra mim, foi um dos melhores que já li aqui.
Beijooooooos!

{ Gabriela F. } at: 14 de junho de 2010 15:14 disse...

Acho muito importante estarmos atentos a coisas ao nosso redor; acho que quando nos concentramos em sua escencia damos um valor melhor! :)
beijos
bem bonito teu texto, como sempre!

{ Jaqueline Jesus } at: 14 de junho de 2010 17:55 disse...

caraca que lindo !!!
eu adoooro observar *-*
é bom prestar atenção nas coisas ao nosso redor, perceber que tudo muda com o tempo e no final as coisas sempre voltam ao seu lugar :D

{ Milla } at: 14 de junho de 2010 21:58 disse...

Adoro para e ficar olhando o tempo passar, parece coisa boba mas arrumar tempo apenas para isso tá virando cada dia mais um luxo. Gostei do texto :)

beijos

Ps. Eu tava lendo a caixa de recados eu vi você falando das carpas, eu sempre alimento elas enquanto leio os seus textos. hahahaha..já virou hábito, de fome elas não vão morrer :)

{ Letícia R. } at: 14 de junho de 2010 22:39 disse...

Awn, ameei o texto. Ficou tão singelo, e tão lindo *---*

É muito interessante mesmo quando paramos para ver o dia virar noite, quando silenciamos e notamos o quanto de minúsculas vidas existem além da nossa e talz. É incríveel. Ahh, a natureza *-*

{ Ariane s.s } at: 15 de junho de 2010 17:39 disse...

Amei o texto , e estou aqui comentantando novamente e dizendo que o seu blog é um dos melhores que já vi .
Beijão; :)

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso