Keblinger

Keblinger

Dez palavras

| quarta-feira, 14 de abril de 2010
Sempre fui aquele cara apavorado, é, aquele que nunca arriscava, que sempre perdia as chances e que via a vida passar diante dos olhos, como se fosse a de outra pessoa. Eu era esse trouxa. Sempre sofri muito por ser desse jeito e por saber que tive várias oportunidades que simplesmente desperdicei, coisas boas que deixei escapar pelos meus dedos pois não tive vontade e força o suficiente para segurá-las. Bom, não sei se reparou, mas tudo que eu disse foi no pretérito perfeito, exato, eu fui aquele cara, eu era aquele cara até me deparar com aquele outdoor. Era uma propaganda boba de um produto qualquer, não me lembro muito bem, pois não foi nada disso que me chamou a atenção, o que atraiu meus olhos distraídos foi uma pixação, uma frase aparentemente colocada ali sem muita importância. E essa frase eu nunca esqueci, estava escrita em letras disformes e escorridas, palavras em vermelho que diziam "Nunca deixe o medo de errar impedir que você jogue".
Aquela frase me marcou de tal maneira, que somente quem eu era naquele momento pôde enxergar a profundidade disso. Dez palavras. Quem diria que dez palavras seríam o que eu mais precisava naquela época? Lembro que naquela noite choveu, e as palavras flutuavam em minha mente, ecoando em meu incosciente, me instigando a mudar. Como eu disse, choveu naquela noite, eu poderia ter me refugiado em casa, mas preferi dançar na chuva e sentir os pingos caindo sobre mim.
Na manhã seguinte me olhei no espelho e vi alguém que não reconheci momentaneamente, aquele alguém era eu, aquele eu que sempre existiu dentro de mim e que sempre pediu para sair. Eu agora não tenho mais medo de arriscar, não perco as chances e não sou um mero espectador de minha própria vida, eu sou o protagonista.

Pauta para Bloínques - Tema: "Nunca deixe o medo de errar impedir que você jogue"

12 sorrisos compartilhados:

{ Flávia } at: 14 de abril de 2010 02:13 disse...

Muuito bom Rodi!

Deixar de ser 'espectador' é fundamental. Ninguém pode assumir essa posição diante da vida. Ela é curta pra passar assim, em vão. Sem que possamos fazer nada, sem que possamos agir e tomar as nossas decisões e fazer as nossas vontades e até mesmo loucuras, pq não?
Loucura é ver a vida passar e não se poder fazer nada... Apenas, perder as oportunidades e perder a chance de ser feliz. Por medo de tentar, por medo de errar...

Adorei MY sweet! :)

{ Pires Silva } at: 14 de abril de 2010 14:32 disse...

Ah sinceramente? Primeira vez que eu venho no seu blog, e sei lá, de cara eu realmente GOSTEI MUITO. Gostei do modo como você escreve, descreve e entretem o leitor no seu texto. Gostei da mensagem que passou e principalmente, a energia que você me passou enquanto eu lia. Sei lá, parece que eu fui captando o modo como você se sentia, e como se sente, e fiquei até orgulhosa. Muito bom texto, muito bom blog, vou seguir pra voltar mais vezes

{ Felipe } at: 14 de abril de 2010 15:07 disse...

Apesar de ser um conto ele está cheio de verdades. Verdades essas que mais uma vez se encontram com a realidade que vivo. São coisas que nos fazem sofrer por perder espaço e esquecer que nós devemos ser os protagonistas da nossa vida.
Seus textos são uma terapia pra mim, cara. Realmente me encontro um pouco em cada texto teu.

Abraços

{ Tata } at: 14 de abril de 2010 17:07 disse...

comentários exagerados não vão servir aqui, teu blog é lindo e tu sabes disso!
tanto gostei que estou seguindo, continue nessa okei guri.
Bgs

{ Carla Rosenvelt } at: 14 de abril de 2010 19:17 disse...

Muito bom despir-se de capas e rótulos que criamos para nós mesmos, não é? Belo seria se soubéssemos como escutar a nossa música e como dançar no melhor ritmo possível seguindo o compasso. Lindo texto. Conto suave.

Beijo solitário.

{ Nathalie } at: 14 de abril de 2010 20:08 disse...

Lindo texto! :)
Vi muito de mim nele, também já fui intrínseca e hoje sou outra pessoa.

=*

{ Milla } at: 14 de abril de 2010 21:22 disse...

Gostei da maneira como você desenvolveu o tema. Eu sempre gostei dessa frase e acho que ver ela além das palavras pode fazer uma bela diferença na maneira como enfrentamos as coisas.

beijos e boa sorte

{ Chris } at: 15 de abril de 2010 00:21 disse...

O bom ´q que você não é o unico a se sentir assim. Por sorte eu tambem sou extamente assim. Mas até hoje me olho nos espelho me perguntando quem sou.

{ Arquivo X } at: 15 de abril de 2010 10:54 disse...

adorei o blog e o texto,te sigo! ;D

{ Naty Araújo } at: 16 de abril de 2010 12:07 disse...

Ficou ótimo...
Boa sorte do bloínquês e não vamos ter medo de nada.
Vamos arriscar... Vamos apostar todas nossas moedas na felicidade.

Beijos.

{ D'eu } at: 16 de abril de 2010 21:42 disse...

Sinceramente? eu sempre me encanto com seus posts e com esse ñ foi diferente! além de não termos medo da vida temos ki aprender a prestar atenção nos detalhes como essa frase né?!!!!
boa sorte(yn)
=*

{ Pαμℓα Aℓvєs } at: 21 de abril de 2010 10:50 disse...

É muito interessante essa mudança... o ser humano passa boa parte da sua vida sendo aquilo que a sociedade impõe que ele seja e são nesses momentos que descobrimos o sentido de tudo pra nós mesmos... deixamos de viver sonhos alheios e passamos a construir nossa propria "realidade" se é que ela existe... nem sempre o nosso real sera aceito pelo restante do mundo e corremos o risco de sermos ignorados,mas achu q eh por isso que me interesso tanto pela vida mental de pacientes psiquiatricos, eles são capazes de construir um real pra eles e naum se preocupam com afirmações alheias ou se os outros acreditam, ele acredita e isso basta... achu q é disso que nós precisamos... deixar de lado a opinião destruidora dos outros e viver pelo nosso proprio real...

que bom que vc mudou, tenho certeza que pra melhor... estou neste processo de mudança, aprendendo a me preocupar comigo a viver a minha vida e não me importar com a fala alheia desde que essa não seja pra meu crescimento ou crescimento mutuo!!!

(vixi jah escrevi demais...kkk)

beijos e paz

 

Copyright © 2010 A arte de um sorriso